sábado, 13 de agosto de 2016



Está chovendo amor!


De bombons trufados e corações feitos de papel

Uma brilhante chuva se derrama do céu.

Feito purpurina
Com nuances de lantejoulas,
Nas cores do arco íris,
O céu se aperfeiçoa.
No céu da boca de uma estrela,
Brilha o motivo do sorriso.


Está chovendo amor!


Quentes gotas de saliva e suor.

Comprometedoras declarações:

Assinadas por emoções imensuráveis,

Carimbadas pelo poder da vida.


Assim, sela-se o amor.

Oficializa-se o irracional,

Dá-se um nome ao que não tem sequer explicação.


Normatiza-se, então, o desconhecido.


Agora, a partir do ponto em que perde a razão,

Não se explica a intenção,

Não se define a atração,

Não se justifica o querer,

Nem se distingue o limite entre saudável e o insano,

Recebe um nome.

Chama-se: Amor.


Lauraine Santos.

Sinto falta de sentir falta...



Eu sinto falta de sentir falta.

Sinto falta de sentir falta
De pessoas,
Lugares,
Momentos,
Cheiros,
Músicas...


Mas, não tem jeito!!!
Não sinto falta! Só sinto falta da falta.

Não sinto saudades...
Só vontade de sentir.

É complicado, mas eu me entendo,
Não é todo mundo que merece ser lembrado,
Não é todo momento que merece lugar na memória.
Apenas algumas sensações importam.
E pra mim, isto basta.

Lauraine Santos.

Feliz, Feliz, Feliz



Em um mundo com tanta gente sacana, apática, muquirana, ruim de jogo, roda presa, mesquinha e demais adjetivos afins,

Tenho plena certeza de ser abençoada em todos os meus passos,

Porque a podridão destas, não consegue apagar o brilho das tantas outras pessoas de bem que Deus tem me permitido conhecer, viver e conviver.


E para cada UM 'mala' que vem pra pesar e complicar a minha vida
Deus me presenteia com DUAS ou mais pérolas de valor e beleza
Que terminam por ofuscar e anular o efeito da negatividade daqueles que tentam transformar a vida dos outros numa espécie de inferno particular.

Quem tem o céu dentro de si
Não cai no inferno de ninguém!!

Seja o céu!
Seja o sol!
Permita que apenas o que é luz
Repouse sobre os seus ombros
E se entranhe na sua cabeça!

‪#‎felizportudo‬

Lauraine Santos.

Meu pé de jabuticaba



A gente se acostuma com a sequidão da árvore e acredita que...
É isso! Ela dá alguma sombra, serve de ninho pra alguns pássaros e de berço pra erva daninha se alastrar.

E a gente até esquece que ela é uma árvore frutífera.
São anos e anos na mesma sequidão.
Até que ela, um dia, sem florescer e sem sinalizar, simplesmente começa a dar frutos!


Sim, esta história é real.

Há NO MÍNIMO 8 anos essa árvore da foto não brotava nada além de folhas.

Até que hoje, após alguns dias de um pequeno cuidado quase involuntário e sem nenhuma expectativa, (nenhuma mesmo. Já nem pensávamos, nem lembrávamos que era frutífera), ela amanheceu assim!

Crenças e descrenças



A gente acredita em coisa que nem sabe que existe.

Pensa que acredita em tanta coisa que na vida real não acredita nem um pouco.

Vivemos e morremos
Sem ao menos conhecer o que verdadeiramente cremos...


É triste e solitário
Viver cambaleando
Entre o crer e o não crer
Entre os sim's e os porquês.

É doloroso
Viver sem saber
Sem conhecer profundamente
A intensidade do próprio ser.

Em fuga,
Em crise,
Agonizando em tempo real,
Encerro a escrita
Lançando-me na busca do surreal.

Lauraine Santos.

Ainda sou aquela menina...



Eu ainda sou aquela menina sentada na janela
Com um caderno debruçado no colo
Escrevendo meus sonhos
Pegando do céu
Desenhando no papel...


Ainda sou aquela menina
Que dançava com os amigos
Pra fazer graça e a galera rir.

Ainda sou aquela menina
Que ia encapuzada, atrasada pra escola
Porque tinha passado a noite contando estrelas,
Ouvindo músicas
Sonhando que elas falavam de mim.

Ainda ouço os sons.
O reluzir azul das estrelas ainda brilham
Não só na minha antiga memória,
Mas também no meu dia a dia.

Os sonhos permanecem vivos
E eu,
Continuo sem precisar dormir para sonhá-los.

Só é preciso acordar para realizar.

Mas... Tudo bem...

Tenho todo o tempo do mundo!

Posso parar na janela
Olhar pro céu
Catar estrelas
Ouvir músicas
E desenhar no papel...

Ainda sou
Apenas uma menina.

Lauraine Santos.

Sou...



Sou sol em noite enluarada olhando por de trás dos montes o reflexo avesso do céu.

Sou pássaro voando alto
Olhando o mar por cima das nuvens.


Sou vida enraizada,
Forte e imaculada.

Sou solo profundo
Fincado de arbustos.

Sou sangue corrente.
De um rio, nascente.

Do leito ao mar
Deleito-me em amar
E fim.

Lauraine Santos.

Nascer...



Nascer dói.

Ao humano, que deixa o ventre o materno.

Ao pássaro, que se esforça quando quebra a casca do ovo.

À semente, que para brotar, tem que germinar.


Tal dor, porém, é para o bem:

Que se faça o milagre da vida!


E, então, quando nasce o bebê, pequeno indefeso,

Quando brota a flor, leve e delicada,

Tendemos a esquecer a força do pequeno ser...

Forte o suficiente para nascer!


Belo, delicado, de aparência frágil. Ainda assim, definindo bem o conceito prático do que é força.


É isso.

Seja forte.

Permita-se nascer TODOS os dias.


Lauraine Santos.