sábado, 4 de junho de 2016

SOBRE CRIANÇAS: PERCEBEM TUDO!

Após perceber a menina cometer um erro e culpar a coleguinha, em tom de brincadeira, chama-se a atenção da errante:

- Você é bem espertinha, hein?!
Ao que a menina, com um sorriso triunfante e bem inocente responde:
- Também... Eu sou filha de quem!!? De Fulaninho e Fulaninha, né?! Meus pais são espertos, eu também sou!!

Perceba que a "esperteza" foi em cometer um delito e culpar a outrém. Não estamos falando aqui de uma esperteza saudável e vivaz, mas sim, de uma malandragem cruel que joga o outro no fogo e pode prejudicá-lo mesmo que ele não mereça. Trata-se de não assumir as responsabilidades sobre os próprios erros.

O pior, é a própria criança observar (ela nem sabe que observou isso), que os pais agem assim. É essa a justificativa que ela dá: "sou igual aos meus pais!" e na ingenuidade, sente orgulho na imitação, afinal, está sendo reconhecida como uma pessoa bem esperta... Que coisa boa é para uma criança se sentir igual aos seus pais...
Vale lembrar que os filhos são macacos de imitação dos pais.

Perceber os paradoxos dos pais pode levar tempo - as vezes, durante uma vida inteira os filhos vivem seguindo os paradigmas vividos pelos pais, sem nunca questionar ou mudar, transformar ou aperfeiçoar seus modelos. Vivem como se tudo fosse perfeito.

Conhecendo os pais da criança em questão, eu sei que eles são mesmo "espertos". Não com grande desvio de caráter, mas com tendências a só buscar vantagens. O que esperar dessa criança? Que ela repita o que vê e que siga pelo caminho que estão abrindo passagem para ela seguir.

Portanto, se você compra e não paga,
Se você mente e nem sente,
Se você combina uma coisa e faz outra,
Se você erra e não admite,
Não espere diferente do seu filho.
Não cobre dele o que você não é.
Lembre-se de que ele está apenas seguindo o modelo que você é.

Para toda regra há exceção. No entanto, vale questionar que talvez, você nem esteja se dando conta de que tipo de exemplo é a sua vida.
Os Excessos também podem causar efeitos colaterais.
Enfim, para o momento, vale focar apenas no exemplo,
Pensar no que se tem percebido no filho, no que se tem recebido dele. As crianças percebem basicamente tudo ao redor delas. Ainda que de modo imaturo e as vezes errôneo, percebem. Por isso o diálogo é tão importante. E casar teoria com prática também.

Auto avaliar-se. Uma reflexão de cada vez.

Não exigir-se perfeito, mas aprender a usar o outro como espelho que reflete seus erros pode ser uma boa maneira de melhorar como pessoa. Trata-se de ser um bom exemplo, não um exemplo de perfeição. É isso que os filhos esperam poder imitar.

Lauraine Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marque presença