terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Estou a dois passos... de um abismo

E o abismo está a dois passos
E você não sabe se pula, se se joga, se espera alguém te empurrar
Ou se recua...
E olha pra baixo
E apesar de perigoso, parece tudo tão fascinante.
É como se não tivesse fim, como se a queda pudesse ser um enorme mergulho no ar.
E na dúvida, bate o desespero.
Não sei se pulo ou se recuo
Se me entrego ou me renego.
Se mergulho com medo ou sem medo.
Se me arrisco ou enlouqueço.

E é como se meus ossos se quebrassem antes mesmo do salto,
Como se o coração estivesse tentando sair pela boca e se atirar no abismo antes mesmo de qualquer decisão pensada,
Como se a vida parasse por um instante
E eu me visse passando distraída
Sem desconfiar de que tudo está fora de órbita
E que a gravidade, já não existe mais.

E já não me descabelo.
Me despenteio pra valer
Por  alguém que me faça valer.
Navegando em mares perigosos,
O abismo continua querendo me devorar.

E seja no mar, na terra ou no ar
A dúvida permanece:
Me atirar ou recuar?
Dá licença. Sai da frente, porque agora,

Há dois passos... eu vou me jogar!! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marque presença