quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Não deixe acabar..

Há coisas que não podem acabar nunca
Porque depois que acabam...
Nunca mais voltam a existir.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O problema é seu!

A verdade é que a gente inventa um monte de desculpas para justificar alguns fracassos nos relacionamentos e se culpa aos montes por motivos que não são nossos...
Carregamos fardos que não nos pertencem.
Assumimos problemas que não são nossos,
São do outro e de ninguém mais.

Já ouvi que
“o fulano não gosta de mim porque eu sou feia”,
“a ciclana não gosta de mim porque eu sou pobre”,
“o beltrano não gosta de mim porque eu sou negro”

E assim, seguimos a vida, justificando em nós mesmos, os porquês que pertencem unicamente ao outro. O fato é que o outro não gosta porque não gosta e ponto.

Se o outro não gosta de mim porque eu sou feia, pobre ou negra, é um problema do outro, não meu!
Não puxe pra si uma responsabilidade que não tem. Não se culpe por um pecado que não cometeu.
Não deixe que o outro te culpe por ser você mesmo. (Seja você o que for!!)

O outro que se entenda com seus próprios porquês...
Tenha você os seus, e que os seus, não sejam o outro. 

Lauraine

sábado, 4 de outubro de 2014

O caminho reverso


A gente segue caminhos errados e depois não encontra como voltar.
Não dá pra recuperar o percurso perdido, não dá pra fingir que nada aconteceu.
Chorar não está aliviando. E viver não está adiantando...
Só quero voltar ao ninho. Voltar aos meus verdadeiros amigos,
Ao meu verdadeiro universo, onde as mentiras não eram permitidas
Muito menos condecoradas como se devessem ser repetidas!
Só quero a minha vidinha de volta.

Ou então, passar a ser mal.
Dessas pessoas bem sem escrúpulos.

Preciso aprender a ser uma pessoa ruim.
Ruim, insensível, inconsequente e entregue à intenção de fazer o mal sem a dor da culpa... 

Cansada de ser boazinha,
de pensar nos outros
de ser política e moralmente correta. 
Cansada de ser cristã ao pé da letra... 

Hora de rever os caminhos, e, talvez
Fazer o caminho reverso. 

Sobre a fome

Então, jantamos há menos de uma hora e já estou com fome,
Dessas que chega a dar fraqueza.
Só não sei fome de quê. 

Talvez não seja fome, mas apenas vazio.
Ou talvez, fome de algo que não seja de comer.

Pra não pensar, não tentar vasculhar a sujeira por tantos anos empurrada pra baixo do tapete,
Tento a distração fútil, que em nada adianta e só prorroga a fome, ou vazio, que sinto. 

Estou adiando a escrita...

E a barriga ronca!! Sinto a fome de uns 20 mendigos.

Na busca por não saciar-me com comida, passeio pela memória procurando de onde vem o vazio. Eu grito, mas o vazio só faz eco. 

É melhor descer mais alguns degraus, talvez haja algo a mais abaixo do vazio.
Sinto que estou evitando olhar pra dentro de mim. 

Tô sacando a fuga!
O que será que não estou querendo encontrar?
Escrever para alguém é complicado. O melhor é escrever pra mim.

Estou tentando voltar ao passeio pela memória...