terça-feira, 26 de agosto de 2014

Profunda crise de valores

2014 está sendo um ano incrível pra mim.
Ano de rever meus conceitos,
De pôr a prova minha fé.
De decidir no que quero de fato acreditar.
Hora de questionar:
1- Se Deus existe ou se sou eu que acredito que Ele existe.
2 - se acredito nas leis e promessas que aprendi a respeito Dele ou se tudo não passa de uma grande furada humana a fim de manipular e manter um pouco de ordem nessa zona chamada de sociedade.
Tem horas que essa escolha é racional.
Quando é por impulso, por instinto, flui naturalmente.
Quando se necessita usar a razão, a fé precisa de uma bússola... e quando não se tem certeza quanto a precisão da bússola, qualquer caminho é escuro e sombrio.
Crer com a razão é intelectualmente possível.
Crer com a emoção é praticamente impossível.
Quanto ao Deus descrito na minha bíblia... O momento é: deixá-lo agir? Acreditar que Ele vai desfrutar da situação com toda sua plenitude e graça e agir ou acreditar que Ele não quer agir nesse caso? Ou ter a certeza de que sou eu que devo agir de acordo com o meu querer, criar novos preceitos e ignorar tudo o que sempre acreditei como verdade?! Não aceito transferir responsabilidades... o que é meu é meu. Sou eu que vou fazer. Mas, e quanto ao que foge ao meu controle?
Ainda não tenho certeza de muita coisa.
Mas tenho certeza de que devo questionar. A mim e ao universo.
É um direito meu.
Não. Não serei condenada por meus questionamentos.
Não serei lançada no inferno por duvidar...
Inferno mesmo é não ter coragem de buscar respostas.
É um momento meu. Íntimo. Particular.
Se você tiver as respostas, aceito ouvi-las e avaliá-las.
Se não, guarde suas pedras pra você,
Elas não me serão uteis.
E em nada acrescentarão à sua vida, a não ser os seus dias de maldição.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Nota de falecimento

Quem morreu?
A minha fé nas pessoas,
A minha crença de que o mundo pode ser um lugar melhor.
A minha esperança de poder confiar nas pessoas que me cercam...
Quem morreu?
O bom senso e a fidelidade.
O amor. O amor morreu. Assassinado.
Trucidado. Violentamente estuprado.
Com graves sinais de tortura.
O infeliz que não aprende a amar,
Leva o resto da vida só sabendo machucar.
Só sabe ferir a quem o quis amar.
E a morte, neguem o quanto quiser, é mais forte que o amor.
Mata o amor, tortura o amante e o deixa enlutado.
É uma pena, que nesses pouquinhos, se morra um pouco também...

Lauraine Santos

Rio Bonito, 25 de agosto de 2014

sábado, 16 de agosto de 2014

A dor da metamorfose

Escrevo porque gosto
Porque é uma necessidade
É a minha forma de expressão mais íntima, profunda e completa.

Escrevo porque me inscrevo, assim,
Na identidade da vida.

Assim, deixo meu legado,
Imprimo minha existência e passagem pelo universo.

Os processos de mudança me inspiram.
As dores mostram o crescimento

A saída do casulo
O germinar da semente
O desabrochar da flor...

Tudo com ganho.

Dor que gera,
Que faz nascer,
Que produz e brilha
Que faz a vida raiar como o sol numa manhã de verão...

Os frutos disso,
Só quem passa pela dor da metamorfose
Pode colher
E saborear
E novamente,
Lançar a semente
Para voltar a colher...

Bom plantio!!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Preciso-me

Eu tenho memórias que nem gostaria de lembrar.
Eu tenho sonhos com coisas que nunca vi.
Eu sonho com gente que nunca conheci.

Eu vivo num mundo abstrato e obsoleto.
Sou platônica por imposição do destino.

Eu sou.
Eu vou.
Eu estou... transitória como o verbo em seu estado de ação,
Não digo do gramaticalmente correto.
Porque hoje estou,
Amanhã talvez,
Depois de amanhã, talvez nunca.

E as faces mais sombrias e obscuras
Detém-se nos esgotos das almas que insistem em se camuflar
E não buscam pelo saneamento básico de sobrevivência.

Assim, vão matando, aos poucos,
A si mesmos, e a quem estiver em volta.
Devoram sem pena as almas aos redor.
Alimentam-se como verdadeiros roedores,
Roendo o que no outro há de melhor.

Mas, não cabe mais a mim discursar tal discurso.
Preciso escapar.
Preciso sobreviver.
Preciso-me viva e saudável,

Para viver novos sonhos,
Conhecer as pessoas que aparecem nos meus sonhos,
Visitar os lugares com os quais ainda nem sonhei...

Preciso-me viva para
VIVER!