quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Flores Plantadas

Sempre tem aquela pessoa de quem a gente gosta na hora, de cara, no primeiro momento em que vê... e passa a vida inteira gostando.

Sempre tem aquela pessoa que no primeiro instante a gente odeia, 'não vai com a cara', não gosta... e de repente passa a gostar... e gosta a vida inteira.

Sempre tem aquela pessoa com cara de paisagem, que você olha e praticamente não vê. Ou melhor, não veria se não fosse muito observador... e essa pessoa te ensina a gostar dela pela vida inteira.

Não importa quem eu gostei de cara e depois mudei de opinião.
Não importa quem eu não gostei de cara e continuo sem gostar.
Não importa quem eu olhei, vi, não entendi e continuo sem tentar entender.

Importam-me as flores que brotaram porque receberam de bom grado
A chuva, o sol, o solo e o tempo que lhes dediquei.

Agora, enfeitam-me com cores e perfumes.
Nossas vidas em comum, ainda que sejam breves,
Já são eternas.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Outubro de 2013

As pessoas querem as coisas. Querem tudo.
Querem pra ontem. Querem pra sempre.
E, as vezes, nem sabem ao certo o que querem e como querem.
Por meios ocultos e obscuros tudo se retém e nada se contém.
O breu atrais, distrai, contrai, mas não apraz. Nele, não há paz.
A luz esquenta, expele, afasta, nada controla e só se desgasta.
O tempo passa pelo funil, na ampulheta da vida.
Sou querer e dissabor, tempo e contra tempo em meu próprio caminho.
Não tenho escolhas, sou fruto do meu inconsciente genético fadado ao fracasso.

Desconfio das coisas absurdamente normais. Nada pode ser tão normal.
Até a normalidade tem lá suas tolerâncias!

E o poder... ah, o poder!! Tão fascinante quanto estar de posse do controle da TV é sentir o poder!!
O poder é o que há de mais atraente na natureza humana.
O poder é fascinante, estonteante. Arranca suspiros. Arranca-me suspiros eternamente apaixonados. Avassalador. Devastador. Ah, o poder!!

O poder de ser livre. O poder de decidir, de ir e vir, de falar e ouvir...
Então, em meio ao caos, aos quereres, ao breu e a luz, ao tempo, a vida e as ampulhetas da desconfiança...
Em meio a tanto poder, debaixo do sol de agora, sou eu que brilho.

Quero agora, pra ontem, para a eternidade...
Coisas, pessoas, sensações, emoções, vontades...

Porque abaixo do sol, sou eu.