sábado, 29 de dezembro de 2012

Eu de valor.

É ano novo no calendário gregoriano.
Os ortodoxos orientais mantém o calendário Juliano para os fins religiosos.
Para judeus e alguns outros povos o tempo é contado de outra forma.

Não é sobre o tempo, nem sobre calendários que quero escrever,
É sobre a quantidade e o tamanho de "eu's" que se isolam dentro da seus casulos.

A questão do calendário é para exemplificar melhor o que quero dizer.
Noutro dia li o breve comentário de um sujeito se dizendo ofendido em desejar feliz natal a um cristão - Isso porque ele professa outra fé.

Fiquei pensando no quanto deve ser difícil para as pessoas que convivem com esse camarada aturá-lo.
Nota-se nitidamente um ego do tamanho do mundo, como se fosse melhor que os outros,
Como se fosse alguém tão bom que ninguém merecesse o seu afeto.
Notei alguém tão egoísta que não consegue sequer ser educado a ponto de respeitar a crença, ou melhor, a cultura do outro.
(Não digo que deva comemorar o natal se não vê motivo para isso, no entanto, se a pessoa ao seu lado comemora, não custa desejar ao vizinho que curta ao máximo seu momento).

Enfim, sem me aprofundar nos meus pontos de vista sobre esse fato isolado
Cheguei mais uma vez a conclusão de que o problema da humanidade é sempre centrar-se no próprio umbigo.


O único 'EU SOU' é o que é. É aquele que era, que é e que há de vir.
Eu, enquanto ser vivente, jamais SOU, jamais FUI, jamais SEREI.
É hora de  deixarmos de pensar no que nós somos e valorizar mais o que o outro é.
Não importa o meu eu.
Não importa que não seja importante pra mim,
O eu do outro deve ser mais valioso do que o meu medíocre ponto de vista.

Enquanto o meu eu for maior, jamais conseguirei me enxergar como verdadeiramente sou,
Até porque, apenas o meu eu é meu, não sou, apenas o ser que é o que é realmente o é.

A hora que entendermos que não somos, que valorizarmos o eu do outro, acho que muita coisa melhoras.
Aliás, por experiência... nosso eu só faz sentido quando o eu do outro tem importância.

Que 2013 nos traga essa reflexão, e que essa reflexão gere dentro de nós uma boa mudança.

Lauraine Santos