terça-feira, 29 de maio de 2012

Nem todo dia é dia...

Nem todo dia dá pra ser feliz,

Nem toda hora dá pra ser positiva!

Começo a acreditar que o problema sou eu...

Confesso que não sou a melhor companhia do mundo,
Mas também não preciso ficar tão de lado, tenho muitas qualidades,
Que aliás, francamente falando, me custam enorme sacrifício,
Afinal, paciência e fidelidade não se encontra em qualquer esquina,
Muito menos, as duas juntas de mãos dadas!

O sacrifício torna-se ainda maior quando a tentação de ir em busca da utopia bate na porta e começa a perturbar o juízo me fazendo pensar em tudo que poderia ter sido, e o melhor, no que ainda poderá ser se eu jogar toda sobriedade pro alto...

Maldita sobriedade que me delega qualidades que eu não suporto mais carregar!
Eu não mereço ser assim.
Não mereço as qualidades que tenho,
Elas me machucam,
Não me permitem saltar de para-quedas nessa vida,
Não permitem que eu me jogue de cabeça,
Que eu tenha motivos para aprender a levantar e me curar sozinha...

Devido ao meu compromisso (como a responsabilidade me diz: 'inadiável'),
Termino esse desabafo por aqui, pois o relógio e a maldita responsabilidade me dizem que não devo me atrasar.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

O que eu sei

O que eu sei é que essa coisa que brotou dentro de mim repentinamente não vai dar em nada.
O que eu sinto é que esse nada vai me perturbar sempre que eu fechar os olhos e olhar pra dentro de mim procurando por você quando sei que não vou te encontrar.

O que eu sei é que eu não deveria estar tão fascinada com o impossível,
Pois, além de impossível, é contra a lei, é pecado, é anti-ético e imoral!

O que sei é que não posso matar essa coisa que sinto mesmo sabendo que não vai dar em nada,
Nem mesmo sabendo que se chegar em algum lugar, esse lugar será sombrio e cheio de acusações.

É uma pena que para fugir eu vá ter que me enganar tanto...

Pior, sei que tentar me enganar vai ser em vão, porque não se esquece um sentimento tão intenso assim, apenas por ser errado e fora da lei.

Sentimento sem nome

Alguns sentimentos não têm nome,
Apenas me pertencem.

Não sou de ferro,
Mas não preciso me expor num outdoor,
Não quero impressionar ninguém.

Claro que gostaria de falar à sua alma,
De materializar o desejo, de deslizar entre os...

É melhor calar antes que nenhuma vitrine suporte tanta exposição!

Porque o que sinto não tem nome.
Porque você é um segredo que eu morro sem revelar a ninguém,
Nem a você mesmo!!!

Segredos


Sabe aquele segredo que você tem vontade de contar pra todo mundo??

Pois é, nem precisa contar... Normalmente, só vivê-lo já nos denuncia!

***

domingo, 27 de maio de 2012

Nova paixão


Homem poderoso e bonito sempre atrai,
Se for culto o corpo até contrai!
Mas se for burro, nem mesmo distrai.
Hoje escrevo coisas que há alguns anos eu nem entendia,
Posso afirmar que o que sinto é muito mais que calafrios...
Nenhum vulcão é tão fervente quanto a atração entre dois corpos.
E talvez, pela primeira vez eu não esteja falando de sentir do modo abstrato,
O sentir que aqui deponho é bem palpável!

***

            É atual, muito recente. Ainda nem decorei teu olhar...
Mas sei a euforia que me dá ao fechar os olhos e lembrar a segurança transmitida,
A intelectualidade florida no teu semblante,
O bom humor latente...

Isso tudo atrai, contrai, me derrete e me entrega de bandeja pra você, que certamente nem imagina ser tão poderoso.
Só sei que  me fascina sem eu conseguir controlar esse vício de te querer. 

Sem conseguir dizer mais sobre o que você me desperta porque não posso, e também, porque nem sei dizer muito sobre você, melhor encerrar aqui, antes que eu exponha o que deve ficar guardado somente entre eu e eu mesma... Pois é, você também não deve saber - e nunca saberá... 

sábado, 26 de maio de 2012

Não sei...

Mal consigo dizer o que sinto, é o meu pior texto dos últimos tempos...

Estou me revirando, totalmente apaixonada e fascinada com uma estampa que jamais poderei vestir.
Estou te procurando sem cessar.

Aos poucos já conheço seus dilemas e dores.
Mas alguma coisa em você me tirou do plumo, me desalinhou...

Não queria usar essa palavra, mas não tenho como evitar, estou completamente apaixonada!
Não sei se impressionada apenas com minha própria idealização, ou sei lá!!

É muito mundo, é a sede que preciso saciar.
O que faço nesse momento é uma declaração silenciosa que você jamais saberá que existiu.
E eu não sei o que fazer com esse sentimento.
Não sei o que fazer com tanta emoção explodindo dentro do meu ser.

Não sei, não sei mesmo o que fazer...

A imagem já se perde um pouco na memória,
A voz permanece nítida aos meus ouvidos,
O modo de falar, o jeito despojado de sorrir,
A simplicidade no ser...

Por enquanto, tudo que posso fazer é deixar essa paixão me corroer e torcer,
Implorar aos céus, que seja algo passageiro,
Ou, que se concretize tão intensamente o quanto desejo.

Sentir é...

Pensar é bom, mas sentir... é sensacional!!!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Inquietude do dia


É uma inquietude de querer o que não posso!
Toco o céu em segundos.
Procuro esse sorriso, mas não sei onde encontrar.
E ainda que soubesse, é um gosto que eu não poderia provar.
É o mito! Apenas isso!!
Estou hipnotizada com seu mundo,
É tudo tão encantado...
Seu olhar me parece tão familiar, tão íntimo, que não consigo ignorar o que sinto.
Euforia. Fascinação. Deleito-me  ao pensar em você.
É uma ideia de perfeição que atrai.
Entro em delírio quando penso no que poderia ser...
Nada carnal, apenas uma admiração intelectual com forte tendência a permitir o avanço dessa materialização e interação física. Tá bom, admito, intensamente carnal!
Mas, tentando não alimentar fantasias eufóricas, vou tentar  me enganar, como se tentar dormir fosse mesmo matar essa minha sede!

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Eu escrevo...

Quando sinto algo, escrevo.
Quando não sinto nada, descrevo.

Quando estou ausente, penso.
Converso incessantemente comigo mesma.
Não, não se trata de um monólogo, não falo sozinha!!!
Falo, me escuto, me analiso e me respondo.
É apenas um diálogo de apenas uma voz.

Troco o dia pela noite mesmo sabendo que acabarei sem dormir ao nascer do sol.
Enfio-me nas letras como se elas pudessem me submergir,
Como se as ideias pudessem acalmar minha ansiedade e me ninar até o sono se apoderar profundamente de mim...

Engano-me constantemente com a mesma desculpa esfarrapada.
Os olhos lacrimejam,
O corpo pede descanso, mas a mente não pára.

Embaralho confusões em busca de soluções que não me comprometam,
Mas, não tem jeito, comprometo-me pelo simples fato de ser eu!
Nesse caso, não importa a realidade,
Importa-me somente existir.

Lauraine Santos

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Nem sempre é...


                São sempre os mesmos hábitos, as mesmas mentiras, o mesmo jogo de palavras. É sempre a mesma fala, os mesmos gestos, a mesma forma de olhar.
                As vezes digo coisas que não são nem metade do que intensamente sinto. Eu não entendo nada!
                Creio em um Deus que não explico porque não entendo. Coloco o juízo acima da razão. Abaixo da razão coloco a lógica quando o assunto é  fé.
                As paixões são impotentes diante de si mesmas. Quando vejo um homem fumando logo sei que ele é inseguro, buscando sentir o mundo através da boca, tal qual a criança que quer saciar-se através do seio materno, por onde se alimenta ao mesmo tempo em que se aquece no calor humano.
                É o infinito diante de mim e eu sem saber o que fazer com tanto caminho pela frente! São tantos valores incutidos ao meu estilo de vida que não sou capaz de dissociá-los ou descrevê-los distintamente. As causas não justificam todas as consequências. Contrária a lógica existe a fatalidade e a burrice. Nem toda medalha é por merecimento.
                Sentir a vida fervilhar nas veias não é privilégio de muitos, a maioria mal consegue sentir o sangue correr, quem dirá a vida... Nem todos os sentidos fazem sentido quando se comunicam entre si. Cor não traduz ritmo. O contrário talvez até seja possível, ainda assim, não troco uma coisa por outra. Nem vice-versa.
                Não traduzo o que as palavras não dizem. Não traduzo o que o sentimento experimenta exacerbadamente. Não me traduzo em palavras porque não consigo, mas confesso que enquanto puder... Continuarei tentando!!