terça-feira, 3 de janeiro de 2012

A individualidade é instransferível

Não gosto quando encontro respostas,
As respostas ficam sem sentido diante de si mesmas.

Por outro lado, não posso viver com o martírio de não questionar.

Gosto dos conflitos internos.
Gosto de reclamar mesmo quando tudo está dando certo.
Gosto quando dá errado, porque justifico o fato de reclamar!!

Gosto do subjetivo,
Ninguém vê o pensamento, mas o tempo inteiro ele motiva a executar,
E a preguiça me desmotiva!!
[Ai, como essa preguiça me domina!!Como sou fraca com ela.]

É engraçado como as pessoas de fora tentam dizer o que eu sinto, o que eu vivo, o que eu creio.

Pelas minhas atitudes podem até especular sobre quem eu sou:
Maldosa, mentirosa, sincera, inteligente, burra... Mas não podem experimentar o que eu sinto,
Jamais enxergarão com meus olhos.
Jamais saberão o que eu sinto quando ouço uma música.

Eu posso explicar, mas não posso dividir o que sinto, é impossível!
Tenho um coração de manteiga derretida. Incapaz de ferir a quem quer que seja.
As vezes penso que só pode ser falta de vergonha na cara essa incapacidade de vingança.
Mas não é não. É a certeza em algo que ninguém explica...

Nem eu, até porque, se eu explicasse, perderia a graça.

Como digo sempre:
"Gosto que os mal entendidos conservem uma certa ordem, uma razão"



2 comentários:

  1. Você escreveu que ninguem pode sentir o que o outro sentiu. Existe um livro magnífico que toca nesse assunto. Chama-se "O Sol é para todos" da escritora americana Harper Lee.

    http://www.submarino.com.br/produto/1/1754979/sol+e+para+todos,+o

    Nesse livro tem um personagem chamado Atticus Finch que é considerado o personagem mais ético, correto de toda literatura ocidental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um amigo meu aki disse q leu, vou pegar com ele assim que puder!!

      Obrigada pela dica ;)

      Excluir

Marque presença