sábado, 29 de dezembro de 2012

Eu de valor.

É ano novo no calendário gregoriano.
Os ortodoxos orientais mantém o calendário Juliano para os fins religiosos.
Para judeus e alguns outros povos o tempo é contado de outra forma.

Não é sobre o tempo, nem sobre calendários que quero escrever,
É sobre a quantidade e o tamanho de "eu's" que se isolam dentro da seus casulos.

A questão do calendário é para exemplificar melhor o que quero dizer.
Noutro dia li o breve comentário de um sujeito se dizendo ofendido em desejar feliz natal a um cristão - Isso porque ele professa outra fé.

Fiquei pensando no quanto deve ser difícil para as pessoas que convivem com esse camarada aturá-lo.
Nota-se nitidamente um ego do tamanho do mundo, como se fosse melhor que os outros,
Como se fosse alguém tão bom que ninguém merecesse o seu afeto.
Notei alguém tão egoísta que não consegue sequer ser educado a ponto de respeitar a crença, ou melhor, a cultura do outro.
(Não digo que deva comemorar o natal se não vê motivo para isso, no entanto, se a pessoa ao seu lado comemora, não custa desejar ao vizinho que curta ao máximo seu momento).

Enfim, sem me aprofundar nos meus pontos de vista sobre esse fato isolado
Cheguei mais uma vez a conclusão de que o problema da humanidade é sempre centrar-se no próprio umbigo.


O único 'EU SOU' é o que é. É aquele que era, que é e que há de vir.
Eu, enquanto ser vivente, jamais SOU, jamais FUI, jamais SEREI.
É hora de  deixarmos de pensar no que nós somos e valorizar mais o que o outro é.
Não importa o meu eu.
Não importa que não seja importante pra mim,
O eu do outro deve ser mais valioso do que o meu medíocre ponto de vista.

Enquanto o meu eu for maior, jamais conseguirei me enxergar como verdadeiramente sou,
Até porque, apenas o meu eu é meu, não sou, apenas o ser que é o que é realmente o é.

A hora que entendermos que não somos, que valorizarmos o eu do outro, acho que muita coisa melhoras.
Aliás, por experiência... nosso eu só faz sentido quando o eu do outro tem importância.

Que 2013 nos traga essa reflexão, e que essa reflexão gere dentro de nós uma boa mudança.

Lauraine Santos

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Desacreditar...

Dane-se o futuro e os sonhos frustrados!
Dane-se a realidade e a fé!

Aponto pro infinito sem a menor intenção de sair do lugar.
Encosto numa cadeira qualquer e sento para assistir,
Meramente assistir a vida passar.

Eu só preciso que essa dor pare de doer.
Só preciso acreditar que por nada vale a pena sofrer,
Como se fosse fácil eu acreditar em algo por mais palpável que seja!

Acreditar. Desacreditar.
Preciso acreditar que tudo em que acreditei até hoje
Não passa de mentiras bem elaboradas.

Não tenho mais forças para ter esperanças,
Realmente, só me resta ter forças para desacreditar...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Quase me perco...

Eu perco tudo!
A hora, o ônibus, a piada!
Guardei, perdi!

Não sei como não perco as chaves,
Nem os cartões de crédito,
Nem qualquer outro tipo de documento...
Documentos: nunca perco documentos!

Perco minhas roupas espalhadas pela casa,
Meus sapatos.
Perco papéis com meus escritos,
Perco a noção do tempo...
Perco o senso de responsabilidade que me deveria pertencer.

Quase me perco na vida
Em função de um agora que não foi o idealizado.

Perco tudo por não querer perder esse amor.

Objetos e frases, tempo e desejo,
Perco sem pena, apesar de as vezes, com tristeza.
Perco - me perdendo por amar você.

Lauraine

terça-feira, 6 de novembro de 2012

O sentido da vida...

São tantos sentimentos que não dá pra dizer.

Repentina agonia me invade,
Expectativa repleta ausências.

Sonhos trancados no porão da realidade.

É a minha vida sendo depenada
Para que eu cumpra minha pena.

Feito cão fuçando lixo
Eu reviro-me ao avesso
Em busca de um futuro que não existe,
De uma esperança que jamais existiu...

Eu aceno para o vazio que me preenche frequentemente,
Cumprimento a emoção que gostaria de sentir
E sigo em frente.
Sempre em frente...

Porque o sentido da vida
Queira ou não,
É sempre, sempre, sempre
O sentido horário.

Lauraine Santos.

sábado, 3 de novembro de 2012

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Além de mim...

As vezes fico de cara comigo mesma!

Sou coisas que nenhuma graduação me deu por título,
Simplesmente sou.

Sou além do que a sociedade enxerga.
Sou além do que os mais íntimos percebem.

Estou  além, muito além do que eu mesma posso alcançar.

Talvez isso explique a frequente infelicidade.
É triste caminhar a frente de si mesmo,
A todo tempo tentar alcançar-se e jamais conseguir-se!

Eu não me engano.
Não me saboto.
Não me justifico.

Sinto-me esnobe,
E ao contrário do que deveria ser,
Saber mais não massageia meu ego,
Nesse caso, me faz mal, me sinto excluída...
Mas, ser excluída é o preço que se paga por ser uma pessoa esclarecida, não é?!

No entanto, se nem eu me alcanço,
Não posso exigir demais dos outros,
Sei que não se arranca leite de pedra.

Sou além de mim, além de você,
Além do que qualquer um possa ver...

Quem??

1 Percebo que estou mais atenta aos meus pecados que aos meus sonhos. 
8 Sou descrente da reciprocidade completa.
2 E tento fingir que estou me esforçando.
4 Satirizo a ordem em nome do progresso. 
6 É impossível me policiar. 
3 Fujo da realidade procurando em mim mesma o que não posso ser.
7 Sou contrária ao que parece simplório.
5 Meus olhos não são as janelas da minha alma: não permito que ninguém me veja assim tão lucidamente.

9 Contrario a ordem das coisas pelo prazer do desafio.

O fato é que enjoei de pensar em você. 
Percebi que estou procurando em você algo que eu gostaria de ser;

Algo que ainda posso ser. 
Estou procurando em você algo que na verdade está dentro de mim.
Com essa conclusão, pergunto:
Quem é mesmo o egoísta??

terça-feira, 23 de outubro de 2012

5:30h - Bom dia...


Você acorda pontualmente as 5:30 da manhã.
Levanta da cama sem reclamar,
Faz um desjejum regado a iogurte, frutas e pão integral.
Veste uma roupa confortável e vai caminhar na praia,
Livre, totalmente livre de relógios, celulares, Tv ou rádio,
Apenas o som urbano misturado ao som do mar.

Você volta pra casa.
Toma um banho rápido,
Apressado – não deve se atrasar pro trabalho.

Enquanto veste seu uniforme,
Abre a janela,
Olha ligeiramente a paisagem tentando identificar se o dia será frio ou quente.
Percebe que não faz diferença, para o ar condicionado está sempre frio!

Pega seu casaco, sua carteira, as chaves do carro, o celular, o relógio...
Dá uma última olhada no espelho,
Uma última ajeitada no cabelo, confere se a barba está bem feita.
Um beijo de despedida na companheira e sai.

Desceria pelo elevador até a garagem se morasse a mais de dois quarteirões do serviço.
Mas mora perto demais e prefere ir à pé.

E sem se dar conta você repete essa rotina há anos,
Tira férias uma ou duas vezes por ano.
Gosta do que faz, sente-se satisfeito
E é tão egoísta que nem percebe
Que não passa tempo suficiente com quem o ama. 

Talvez mereçamos um reflexão...
Mas já são 5:30 da manhã: 

Bom Dia!

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Preciso...

Algumas coisas são ruins,
Enquanto outras conseguem ser péssimas!

Sei que a tensão está exacerbada quando o sono não consegue me derrubar.

A madrugada me vence segundo a segundo,
A cada pulsar vejo o tempo passar por mim.

As pálpebras caem sobre as pupilas,
Os cílios tocam as olheiras.

A janela vai mudando de cor
Num degradê que se estende do azul marinho até o amarelo ouro.

Não vou a lugar nenhum.
Só quero dormir em paz,
Dormir o sono dos mortais.

Fechar os olhos no azul marinho
E só acordar de cara com um sol amarelinho!

Sinto minhas olheiras ardendo,
Sei que é sono, estou lutando contra ele há 4 horas e 2 minutos,
É hora de deixá-lo vencer....

Preciso me convencer
De que sou eu que preciso saciá-lo
E não ao contrário.

Preciso saciá-lo, preciso saciar-me nele, e não ele em mim.
Preciso saciar-me nele,
Preciso saciar-me,
Preciso.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Em torno do meu sono...

Eu durmo tarde, acordo cedo.
As vezes não durmo, as vezes madrugo;
Incontáveis vezes me esqueço o que deveria fazer...

Então me deito para tentar dormir
E o resultado é um total fracasso.

Quem dorme com o barulho do inacabado?
Eu não durmo.. Não consigo!

Durmo pouco. Durmo muito.
Minha vida em torno do meu sono.
E não me perturbarei mais.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Paranoias!



Aprendi que algumas coisas só existem na nossa cabeça! 

Outras realmente existem! 

Não posso opinar muito,também sou dada a essas paranóias.
Só posso te dizer que parta sempre do princípio de que se nada foi dito verbalmente,
Haja como se nada tenha sido dito visualmente. 

Se o alarme apitou aí dentro da sua cabeça é porque algo te incomodou,  
Nem q seja apenas o seu próprio ego querendo ser importante. 

Dê atenção. Não demais, nem de menos.
Apenas não perca o equilíbrio.

Déjà vu


Mais uma noite em claro.
O calor e as pulgas não me deixam dormir.
Os pensamentos me mordem desde a meia noite.
Pulgas são grilos mudos.

Quando penso na manhã que me espera, sinto certo desespero,
Não saberei como me livrar do sono.

Deparei-me com a cozinha cheia d’água a essa hora da madrugada.
Xinguei-me por ter pensado ter esquecido a geladeira desligada,
Xinguei a vizinha quando percebi que a infiltração vinha da casa dela.
Por fim, entendi que é um castigo dos deuses por eu estar insistindo em assaltar a geladeira sem fins saudáveis.

Lembrei-me de um sonho que tive há alguns meses,
Acontecia exatamente como vi:
Água escorrendo pela parede, inundando a cozinha.
É estranho demais reviver na realidade o que já foi visto em sonho.

Estou ansiosa. Não quero mais pensar nisso.
Não quero pensar na manhã sonífera que me aguarda
Nem no que acabei de rever na cozinha...
Prefiro dormir. É a melhor arma contra o que não se quer. 

Pra você que está acordando agora: bom dia!

Editando o texto, o sonho ao qual me refiro consta de julho do ano passado, fiz um post sobre ele na época.
Está no link:  http://laurainesantos.blogspot.com.br/2011/07/alma-em-chamas.html

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Rascunho não terminado


Decepcionada.
A pior coisa é lidar com gente mentirosa.
Aliás, a mentira por si só pode ser engraçada, pode ser por motivos fúteis.
No entanto, quando se mistura com maldade, dá um mortal veneno que pode ser conhecido como fofoca, calúnia, desrespeito, imoralidade!
A decepção é amargosa.

Não como

Eu já devia ter me acostumado a me decepcionar com as pessoas

Tem gente que troca ouro por merda.
Não é soberba, mas sem falsa modéstia,

Nada como uma dia após o outro e uma noite no meio. Quem não tem coragem de falar a verdade, talvez seja por medo de ter q ouvir a verdade. 

domingo, 16 de setembro de 2012

Sobre cativar...


Aprendi a cativar. 

Aprendi que devo tratar bem e respeitar o outro ainda que eu não queira nada em troca.
Aprendi que ninguém resiste a um bom tratamento...
Ninguém se abstém de um verdadeiro sorriso, de um sincero elogio.
Ninguém se afasta do que o faz bem.

Aprendi que ‘água mole em pedra dura tanto bate até que fura’.
Aprendi que nem sempre ‘as ideias correspondem aos fatos’. 

Aprendi que se quero alguém,
Mesmo que esse alguém não queira ser meu,
Acabará cedendo se for completamente cativado.

Primeiro se acostumará comigo,
Depois aprenderá a gostar,
E com o tempo farei parte dele
Tanto quanto ele faz parte de mim.

Eu sei cativar. Aprendi. 
É impossível não ser cativado por mim... 

Sendo assim, é melhor proteger-se,
Pois depois de bem alimentado o seu ego
Você não saberá mais viver com fome. 

sábado, 15 de setembro de 2012

Paranoias

Aprendi que algumas coisas só existem na nossa cabeça! 

Outras realmente existem! 

Não posso opinar muito

Também sou dada a essas paranoias.

Só posso dizer que devemos sempre partir do princípio que se nada foi dito verbalmente,

é como se nada tenha sido dito visualmente. 

Quando o alarme apita dentro da nossa cabeça é porque algo incomodou

Nem que seja apenas o seu próprio ego querendo ser importante. 

Enfim, se não encontra explicações, fuja! 

Devemos temer ao que não sabemos se existe de verdade! 

Nada faz sentido..

Essa vida de internauta deixa a gente meio paranoico!
Com essa moda de redes sociais, onde a gente recebe logo a informação visual,
Agora, para tudo que vou pesquisar quero uma imagem.

Se procuro um curso, quero foto de todo o corpo docente.
Se procuro uma clínica, quero foto de todas os consultórios e de toda equipe hospitalar,
Incluindo anestesista!

Aí me dei conta da maluquice a qual estamos nos acostumando...

Sabe aquele dia em que parece que tudo faz sentido? Pois é... É nesse dia que nada faz sentido.

Só por isso termino por aqui.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Tempo...


Apenas uma menina da cidade do interior.
Uma menina que não quer envelhecer,
Uma menina que não quer ver que o tempo passou.

Sem maiores pretensões ela abre a janela da vida
Debruça-se sobre uma ampulheta
E assiste os mais diversos grãos passarem pelo funil
Que define quem merece viver ou morrer.
Sem entender a ordem dos fatores, ela apenas assiste o mundo ao redor.

Aprecia a noite, deprecia o dia.
Embalada nas teias do acaso,
Amamentada pelos seios do destino
Segue seu rumo ao tempo que não voltará jamais. 

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Navegando nos mitos...


Rio Bonito, 20:07hs

Navego sem rumo pelas altas horas da madrugada.
Sou fera faminta cruzando a estrada.
Do progresso ao regresso, ainda que haja retrocesso,
Tudo se deve a religião.

A TV mostra notícias repetidas,
Porque a sociedade se repete incessantemente.
Algumas raízes são intocáveis,
Mais profundas do que os olhos podem ver.

Conhecimento é poder,
Dinheiro é poder,
Todo poder é relativo e se restringe ao momento.

O mito sempre será necessário,
As respostas nunca serão suficientes.
Em busca de respostas permanecerei acordada navegando pelas horas
Questionando as religiões, alimentando os mitos
E nunca entendendo a causa das raízes que não plantei,
Mas que são intrínsecas ao meu ser. 

domingo, 9 de setembro de 2012

O mal é o medo...


Meu mal é ter medo.
Esse medo de expor meus desejos me deprecia.
Tenho mais receio de expor meus desejos do que de expor meus medos
Mesmo achando que deveria ser ao contrário,
Afinal, expor os medos pode ser muito destrutivo.

Não consigo medir a diferença de profundidade entre o desejo e o medo,
Só posso afirmar que ambos mergulham na intimidade.
Ambos mergulham na minha intimidade.
Mergulham de uma altura que mal posso ver.
O medo e o desejo mergulham de dentro de mim
Tentam saltar para fora.

O medo, esporadicamente, consegue se mostrar em forma de dor,
Já o desejo, pobre fracassado, se aprisiona nas correntes da razão e do juízo.
O que tem corrente não pode ser bom.
Juízo e razão nunca são coerentes com a emoção,
É uma irracionalidade tentar conciliar dois extremos que jamais se encontrarão.

Medo, desejo, razão e juízo,
Minha intimidade guardada a sete chaves que pretendo um dia jogar fora
Pra nunca mais precisar usá-las.
Ou os segredos deixarão de ter importância, ou deixarão de ser segredos...

Ambas possibilidades são melhores do que ter que ocultar o desejo
Ou ter que evitar expor o sentimento até por medo de expor o medo. 

A dor ainda dói...


Preciso urgentemente de um chá de mudez.

E não estou brincando, talvez uma camisa de força também me caísse bem.

Tentando parecer bem, visto um sorriso

E finjo, sem a menor culpa, ser o que não sou.

Nada vai bem.

Quando as mentiras começam a ter que tentar amenizar a realidade

É porque o que vai mal realmente está de mal a pior.



Não tem problema.

Chorar alto até soluçar ajuda a aliviar a dor.

Chorar até dormir.

Chorar lava a alma. [Devo estar com minha alma alva mais que a neve].

Contudo, a dor ainda dói. 

sábado, 1 de setembro de 2012

Virtude...

Lutando para não desfalecer,
E como em todo luto, relutando em não querer.

¹"O homem só é feliz se puder desenvolver e utilizar todas as suas capacidades e possibilidades."

Por não estar plena em meus sentidos
Recheio-me do vazio que sinto. 
Não interessa o que eu sinto, se a todo tempo só quero saber o que você sente,
O mais longe que vou disso, é querer você.

Não posso querer o quero
Não posso deixar de querer, já que já quero...
Não posso poder, não posso desistir de poder.

Mas, se há virtude na teimosia eu não sei,
Só sei que vai ser assim... 

¹O Mundo de Sofia - Jostein Gardner

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O que sentem os filhos de pais separados?



Hoje, como profissional atuante na educação religiosa, social e moral de alguns adolescentes, me percebo envolvida com boa parte do que acontece com eles. Minha reação diante de algumas situações é primeiramente instintiva para só em seguida ser racional. Com isso, sou obrigada a refletir sobre fatos que antes eu ignorava ou não dedicava atenção.
           
Descreverei alguns episódios tentando explicar um pouco do que tenho acompanhado da vida dessa futura sociedade. Nosso grupo é formado por aproximadamente trinta adolescentes assíduos. Desses trinta, apenas seis têm o pai e a mãe legítimos casados e frequentando a mesma igreja. O restante, ou vai sozinho, ou com apenas um dos responsáveis. Onde quero chegar com essa informação? Simples! Quando se fala em pais separados, logo imaginamos a comum separação física, onde normalmente o homem/pai sai de casa e deixa os filhos com a mulher/mãe, ou ao contrário, que é menos comum. No entanto, quero seguir por partes...
           
Em uma determinada reunião falávamos sobre milagres, e pedimos que os adolescentes falassem sobre um milagre que gostariam de receber, ao que um deles respondeu que gostaria que seu pai voltasse para sua mãe. É claro que não esperávamos por isso! Fiquei estatelada, me sentindo uma cética mentirosa ousando falar sobre milagres... O que dizer? Ou melhor, como dizer a um rapazinho, que essa missão é inviável, uma vez que o pai já constituiu outra família, tal qual a mãe que tem outro parceiro?! Pelo que sei, o padrasto dá atenção, carinho, tempo e dinheiro, ainda assim, o menino quer a presença do pai, pelo qual também nutre uma mágoa publicamente notória, não só pelo pai, mas também da mãe.
           
A mágoa é porque apesar de conscientemente ‘saber das coisas’, a emoção irracional diz que se o pai realmente o amasse, teria suportado tudo para estar ao lado dele, o mesmo vale para a mãe, que se o amasse tanto, teria suportado o pai! É uma ferida narcísica hiper profunda, é descobrir da pior maneira, que não se é o centro do universo das pessoas que mais deveriam amá-lo... E amam, mas também precisam de outros amores complementares. Acredito que seja difícil a um adolescente compreender a amplitude de emoções que um adulto precisa preencher para tentar ser feliz.


            A separação física é mais evidente, no entanto, não mais prejudicial que a separação invisível que assola os nossos adolescentes. Há conosco uma menina cujos pais são casados, moram juntos, mas somente a mãe vai à igreja, o pai é um popular ogro. O fato de um casal não professar a mesma fé já é uma fissura que pode causar um dilema ao adolescente em formação quanto a quem seguir, no entanto, a questão religiosa é apenas um exemplo, uma partícula que pode ser bem administrada se houver equilíbrio; voltando à menina... Ela tem ódio do pai, que xinga a mulher/mãe – há rumores até de agressão física. A menina tem ódio da mãe, que não reage, que não a protege da humilhação a que o pai as expõe, ou seja, a separação existe, só que com os corpos habitando a mesma casa.

Enfim, resumindo, qualquer que seja a separação entre o casal, a sensação que os filhos têm é de que faltou amor por eles.

Aos pais, não importa que o relacionamento com o ex seja péssimo, nem o quanto os atuais parceiros te incomodem, não deixe de cumprir com seus deveres, muito menos abra mão dos seus direitos, é um direito do seu filho, te amar e sentir o seu amor. Ainda que o ex queira interferir negativamente, lute! Respeite a incompreensão do adolescente, mas nunca deixe de dizer que o ama. Converse, faça-o refletir sobre o que faria se fosse você, troque de lugar com ele através do diálogo Se houver respeito e sensatez neste processo, quando seus filhos forem adultos compreenderão o que passou, sararão a ferida e como futuro teremos uma sociedade saudável.

No mais, o que estiver ao meu alcance, farei!

Lauraine Santos.
Rio Bonito, 29 de agosto de 2012.



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Não vou desistir...


Quando você gritar esperando resposta e só ouvir sua própria voz ecoando:
Vai se lembrar de mim.

Ferida a minha vaidade, chora o meu ego;
A vaidade despenca do alto céu e estrebucha após cair abaixo do lençol freático!
Eu perdi, deixei a peteca cair!
Perdi o respeito, virei uma piada pra você – Ou seu comentário foi um elogio de verdade?
Perdi a chance de abusar do duplo sentido;
Evitei demais a exposição do que queria mostrar
E mostrei o desnecessário- desinteressante para te atrair.

Estou com raiva, frustrada,
Querendo a todo custo mudar o que passou;
Ao mesmo tempo, ciente de que não tenho tempo para lamentações,
Preciso me recompor para mudar esse quadro.

Esse presente está num contexto passado,
Agora é o futuro que tenho que mudar.
Ainda tenho que te conquistar...
E não vou sair sem conseguir!!

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

The game never end...


Afundo-me em letras.
É o momento de manter o silêncio.
Reservo-me ao direito de recuar.
Hora de controlar os nervos.

Se minhas investidas foram frustradas
Só me resta mesmo retornar à minha insignificância.
E não quero pensar que fui incapaz!
Não há culpados!
Eu tentei...
E mesmo que agora só me reste angústia, eu tentei.

Cheguei bem mais longe do que imaginava,
Mas desde o princípio eu sabia que era inalcançável!

Tentei porque não resisti,
Eu não conseguiria sair dessa sem ter tentado.
Quem me conhece sabe que ainda não terminou,
Porque eu só me dou por vencida depois que consigo!

Por enquanto preciso respirar, acreditar que acabou.
Deixar-me cair no esquecimento.
É melhor refazer o caminho do que tentar continuar em evidência e perder todo trabalho conquistado.
Não quero conclusão para esse texto, afinal, o jogo ainda não acabou!

Arrebatador


Sabe quando você repentinamente se apaixona por uma pessoa?!

Sua vida vinha num ritmo normal até que subitamente você se vê lutando para matar um sentimento que nasceu avassaladoramente dentro do seu ser.

Sem nenhuma prévia soa um estridente alarme avisando que há algo que tem que ser abortado.
E aí você luta contra o sentimento que não pode florescer,

E você luta contra você mesmo, que não quer matar o que está enfeitando o seu ego e te fazendo sentir a vida.

Você não sabe nada sobre a vida dele,
Só sabe que o sorriso é lindo,
Que o senso de humor é apurado,
Que o leque intelectual é ricamente desenvolvido...

E é esplendido descobrir o quanto essa pessoa pode ser legal. 

E você se descobre não sabendo nada da vida!

Tudo o que sabe é que está arrebatado pelo prazer que o desconhecido ser te traz.
Tudo o que sei é que estou hipnotizada.
Admiro, desejo, quero e não sei se posso ter.

Será que poderei?!Fica a dúvida para reflexão! 

domingo, 26 de agosto de 2012

Pensamentos soltos #28/08


Sei que a coisa está fugindo ao controle quando começo a ter que falar sobre ela.

E quanto mais falo, mais fantasio e mais alimento a ilusão...

E quanto mais alimento, mais você existe dentro de mim.

Hoje, tudo que eu queria,era poder pegar uma bicicleta e sair pedalando por um caminho límpido e cercado de árvores frondosas; sentir o sol e o vento batendo no rosto, ouvir as folhas cantando, ver as sombras que nascem por baixo das árvores iluminadas pelo sol...

O sol amanheceu inspirador! O céu azul convidava à felicidade. A chuva d agorinha  é acolhedora... Toda natureza conspira para a saúde do homem.

Francamente, toda vez que me deparo de cara com a natureza, todo o resto, toda tecnologia perde o sentido de ser. O homem tinha menos recursos, mas também era mais saudável – necessitava menos desses recursos.

E minha natureza é indissolúvel sem você. 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O prazer da tentação...

O joguinho de gato e rato eu já conheço
E mesmo assim agonizo.

Gosto desse jogo de esconde-esconde.
Me dá calafrios, tremedeira, adrenalina!
É um medo saudável.

E se não der certo, que seja um erro voluptuoso.
Tem tanta coisa que eu quero dizer pra você...

Meu pensamento é um labirinto
Onde eu caio de paraquedas no mundo paralelo da imaginação.
Alimento as fantasias com o melhor da minha criatividade,
Com a minha mais límpida dedicação me curvo ao poder da ilusão.

Com o mais profundo da minha alma posso sentir o prazer da tentação,
Detenho-me na imaginação
E suspiro com a possibilidade de realização...



Meu lugar é você...

Do céu ao inferno sem sair do lugar.
Do esgoto ao luxo em questão de segundos.

Como boçal que sou,
Caio nas garras do pensamento negativo que me mostra a diferença social que existe entre nós.
Posso ser inteligente, mas existe um abismo cultural latente
Que eu preciso enxergar para não cair.

Preciso de juízo para não insistir em me jogar nesse abismo mesmo sabendo o quanto posso me machucar.

Que paradoxo infeliz usar minha inteligência para ver o quanto sou boçal!
Chego a achar que eu deveria contentar-me por isso...

Pode parecer bobagem, não sei dizer.
Hoje acho impossível qualquer aproximação natural entre a gente.
Aliás, o instinto talvez até pudesse contribuir,
Mas a minha ignorância cultural certamente o afastaria de mim em poucos encontros.

Não sei porque esse desencontro.
Só sei que estou no lugar errado.
Apesar de estar tudo perfeito em volta, sou eu que estou fora do meu lugar.

E o meu lugar talvez seja bom de mais para mim...
Meu lugar é você!

*momento de depressão social.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Doce veneno

Tenho que me travar para não sair atropelando as regras da arte da sedução!
Sinto-me em um romance Hollywoodiano,
Só me falta o quê?!
Ah, sim! Só me falta o príncipe!

Tenho o manual,
Estou no caminho certo.
Estou indo,
Me chegando de mansinho, me deixando visível.

Sem gestos largos,
Sem vulgaridade,
E por enquanto, sem insinuações. Por enquanto...

Ainda estou tateando sem saber que isca usar.
Criei um pequeno laço,
Uma mínima afinidade,
Minha única oportunidade, que tenho que saber trabalhar para ampliá-la sem o risco de perdê-la,
Não quero o risco de perdê-lo.

Sutileza e inteligência serão minhas teias envolventes.
Sonsa e dissimulada para fingir que tudo é por acaso.
Autêntica para ser agradável, madura, sensata e divertida.

Os príncipes adoram boa companhia.
Doce veneno, aqui estou eu.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Minha paz..

Felicidade tem nome, endereço, profissão e cabelos grisalhos!

Ah, como é bom fechar os olhos! A imaginação voa longe.

Depois de uma noite sem dormir então, fica difícil separar o que é sonho do que é imaginação...

Nossa, que sensação boa!

Sensação de conseguir o que queria, de missão cumprida, de elo fechado,

Estabelecido, concluído, fundido!

Fantasia alimentada, devidamente satisfeita para dormir em paz.

Não quero me expor, mas abaixo à hipocrisia religiosa/social e falsamente moral.

Estou em paz.

Dei mais um passo em direção ao paraíso,

Me aproximei um pouco mais do fruto proibido.

Estou no meio do caminho, e é essa tormenta que me embriaga de prazer.

Essa tormenta é a minha paz.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Sem Panelinhas

Gosto de grupos,
Mas não sou fã das 'panelinhas'.
Aliás, as 'panelinhas' são até naturais,
O que não acho natural é fecharem a 'panela'.

Não gosto disso,
É uma forma de distinção de pessoas...
É uma soberba que Deus não aprova!

Na 'panelinha' nunca se sabe ao certo quem é quem sem máscaras.
Gosto de máscaras para pequenos espetáculos,
No palco da vida as máscaras sempre caem
E destroem o show!

Nas 'panelas' fechadas se juntam os egoístas e narcisistas,
Onde um alimenta o ego do outro com seu próprio ego.

Acredito que as amizades devam sim ser boas ao ego,
Mas não só isso!
O homem não deve fechar-se em seu pequeno mundo e ficar indisponível.

Prefiro pessoas disponíveis,
Que se reúnem por afinidades,
Que se confiam apesar das diferenças,
Que não se acham melhores que os outros simplesmente porque o outro não tem os mesmos ideais ou comportamentos...

Prefiro a simplicidade,
A diversidade dos temperos que podem cair dentro da 'panela',
Prefiro não me fechar a um pequeno grupo sem sal - não tolero discriminação nem acepção de pessoas.

Sou sem preconceitos.
Guardo meus valores e os represento no meu estilo de vida,
Compartilho o que tenho,
E sou humilde o suficiente para pedir emprestado quando preciso.

domingo, 12 de agosto de 2012

Frase do momento

Um dia é pouco quando se quer a eternidade,
E é muito quando não se quer nada!

Lauraine Santos

Solidão


Sinto-me sozinha.
Sou infinitamente solitária.
Sou amável e respeitável, ainda assim, só.

Não porque não me amem ou porque não me respeitem,
Mas não amam as mesmas coisas que eu...
Fico só por não ter com quem compartilhar meus gostos,
Por não conseguir alguém que me ouça desabafar
Porque não confio intimamente em qualquer pessoa,
E as que confio, hoje estão distantes.

Sei que não estou só - porque há quem me ame e não me queira só,
Mas estou só, porque não há quem me acompanhe dentro de mim.

Solidão atrai tristeza, debulho-me em lágrimas
E sem ter com quem compartilhar-me, enfraqueço e durmo.

Boa noite!

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Onde eu deveria estar?

Tenho sempre a sensação de estar longe de onde deveria.
Não sei até que ponto estou ligada à minha terra natal,
Só sei que sinto que aqui não é o meu lugar.

As luzes me atraem intensamente.
O ar da boêmia está impresso na minha psiqué.

Ainda que eu saiba que muita coisa é ilusão
A paisagem me distrai e me faz esquecer qualquer desilusão.

Não entendo esse vazio que me domina toda vez que olho pro lugar que me cerca.
Não entendo, não explico, apenas sinto,
E por intuição, desconfio que estou fora do meu aquário,
Fora do meu habitat natural,
Fora da minha casa,
Fora da minha terra natal,
E eventualmente, por causa disso,
Fora de mim!

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Quero estar com você...

Tem horas que eu me sinto pequena e desinteressante.
Sinto-me ignorante e ignorada.

Eu quero muito mais que um assunto formal.
Prometo não me apaixonar!
Admiração as vezes confunde,
Pode até balançar o coração,
Mas sei que não é nada sério...
Vai ser assim só até encontrarmos afinidades,
Só até eu me acostumar com o deslumbre que você me causa.

Não quero beijos nem abraços,
Nada tão íntimo.
Também não tão distante quanto o que existe.

Quero a troca de ideias,
Quero estar a vontade para rir ou chorar de acordo com a ocasião,
Quero estar com você por estar,
Apenas isso.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Dança do acasalamento

Eu não sei como te chamar a atenção.
Sua sobriedade me embriaga de desprazer.

A realidade não me convém quando não tenho quem cobiço.
A realidade não me convém quando não consigo estruturar estratégias que me levem até você.

No amor, me sinto na guerra.
São estratégias racionais, tudo muito bem pensado.
São falas decoradas e gestos previamente ensaiados.
São sorrisos pausados.

Sou eu fazendo a dança do acasalamento tentando atrair o rato à ratoeira.
Sou eu tentando te fazer me enxergar.

Novos amores são sempre novos territórios a conquistar.
Só me dou por vencida depois que expulso todos os antigos habitantes
E também os visionários.
Só me dou por vencida depois que instauro minha marca
E perpetuo uma moeda com meu nome.

Só me dou por contente quando insiro meus valores no outro,
Só me dou por contente quando o outro passa a ser definitivamente meu.

Por enquanto, ficaria contente em receber apenas o seu interesse recíproco nessa observação de terras...

Querer intelectual

No dia-a-dia da vida lá venho eu!
Ombros curvados,
Cabeça baixa,
Pequena estatura,
Olhos amendoados,
Pele branca
E um querer intelectual.

Passo a passo venho eu pela estrada da vida.
Dúvidas na alma
E soberba no chapéu.

Lá vem você,
Com meus segredos em suas mãos,
Sem nenhum pudor,
Sem nenhum amor, afeto ou desilusão,
Lá vem você sem nada pra me dar!

O chão é o limite da humilhação.
Daqui só passo se for para a outra vida.
O chão é o limite
É a referência de onde não deveríamos jamais chegar.


No dia-a-dia da vida lá venho eu!
Ombros curvados,
Cabeça baixa,
Pequena estatura,
Olhos amendoados,
Pele branca
E um muitíssimo querer intelectual.

Mentira e morte

Eu não tenho mais estômago para tanta maldade!
Não suporto mais tamanha crueldade.

Mentira e morte estão no mesmo patamar,
Mentira e morte são sinônimos perfeitos,
Ambas representam o mesmo crime e deveriam ser punidas com a mesma pena.

O que não precisa de testemunhas
Ou é muito íntimo, ou muito maligno - Ou as duas coisas.
Quem planta mentira colhe solidão!
Mentiras sempre são regadas a maldade

Eu não tolero mais!
Quer mentir? Arme sua teia de morte longe de mim!

Não quero por perto alguém em quem não posso confiar,
Não quero por perto alguém que pode a qualquer momento inventar histórias degenerativas a meu respeito.
Não quero por perto alguém que não sabe se amar,
Porque quem não se ama, não é capaz de amar a mais ninguém!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

O que eu quero...

As perguntas se embaralham na minha cabeça.
Volto ao ponto de partida sem nem ao menos ter saído daqui.

É um misto de sensações que não me permite ...
A paciência se esvai pelo ralo!

Quero quebrar tudo!
Arregaçar com essa bagaça,
Acabar com essa vidinha medíocre!

Quero jogar tudo pro alto,
Me atirar do precipício,
Recompor meus valores,
Vender-me sem justo valor!

Quero tudo
Quando o tudo que tenho não significa nada!

Não quero nada do que tenho e que me faz sofrer,
Quero apenas poder o que quero
Sem ter que mascarar o que tenho com a cera da personalidade mutável;
O que quero tem que ser real e pra sempre!

O que quero ser não tem nome,
Não tem resposta exata,
Tem apenas a mim e as perguntas que se embaralham na minha cabeça.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O que encontrar...

Não tenho muito o que revelar,
Meus segredos estão trancados em algum lugar que já não consigo mais encontrar!

O sonhar se faz presente a todo tempo!
Abro os olhos e aprendo,
Fecho os olhos e me surpreendo com o que vejo.

Na memória está toda utopia idealizada.
Na realidade estão todos os desafios a vencer!

No momento,
Nem na utopia, nem na realidade,
Estou em mim tentando o que encontrar
E o que vier, pra quem não espera nada, lucro será!

terça-feira, 31 de julho de 2012

O meu melhor

Estar no comando não é nada fácil!
Educar a quem se ama requer um coração por vezes, de pedra, de pluma, de manteiga...
Liderar exige desgaste em ter que negar alguns pedidos,
Exige extremo senso de justiça para uma auto avaliação
Que pode a qualquer hora mostrar que estamos errados...
Exige humildade para voltar atrás quando necessário.

É um paradoxo de sensações!
Estar no comando exige ousadia para trilhar novos caminhos,
E força para lutar contra o que pode ferir.
Exige força de vontade para não deixar a soberba tomar conta
Quando a situação pedir simplesmente que a gente diga 'eu avisei'.

Com todo paradoxo,
Com todo trabalho,
Apesar de tantas exigências,
Sei que me esforço para ser o melhor,
Que me obrigo à sensatez mesmo quando o orgulho quer gritar dentro de mim,
E por justa razão, sei que não há perfeição,
E que ainda assim, terão sempre o meu melhor.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Manual humano

O comportamento humano não precisa de manual de instrução,
Algumas atitudes são tão instintivas que tornam-se previsíveis.

Basta observar!
Se colocar qualquer líquido dentro de uma garrafa com alguns pedaços de vidro no fundo,
Não precisa ser místico para saber que quem pegar essa garrafa, irá sacudi-la!
Não precisa ninguém mandar, sacudir a poeira do fundo é inerente ao ser humano.

Questionar não é tão popular!
Sofrer em busca de respostas também não!

Para os gestos, há previsão.
Para os sentimentos não há manual de instrução competente.

Sentimentos inacabados...

Sentimentos inacabados nunca ficam guardados por muito tempo,
Eles sempre retornam trazendo algum tipo de transtorno.
O inacabado sempre volta para perturbar,
Para perguntar a causa de não ter sido findado dignamente.

A voz embarga,
O mundo se cala,
O vento nem se mexe,
E a agonia estremece qualquer ser!

O que fazer com os sentimentos inacabados e com os casos mal resolvidos?
Guardá-los novamente na gaveta de onde jamais deveriam ter saído!
Não é fácil resolver o passado já estando no presente.
Não é fácil querer acabar com o passado, quando não se sabe o que será o futuro...

A perturbação momentânea pode passar,
E se não restar nada para o futuro,
Sobrará pelo menos a certeza dessa perturbação,
Desses sentimentos,
Que nos darão a sensação, ou melhor, a certeza,
De que algo ainda nos resta para fazer.

sábado, 28 de julho de 2012

Relatório do dia...

Entro mais uma noite em claro.

Impossível seria não fazer um relatório do dia que findou.
Acordei cedo, fiz minhas unhas (amo fazer minhas unhas, é minha terapia).
Passeei pela Internet, enviei e recebi e-mails...
Fiz almoço, comida de dieta e desânimo com tanto verde sem nenhuma gota de óleo.

Fui na rua encomendar meu remédio e no caminho de ida
Vi em determinado ponto alguns politiqueiros reunidos.
Nesse momento, pensei sobre a podridão que é a política,
Pensei nas caricaturas que se candidatam aos cargos públicos,
Pude rir intimamente das caras, bocas e jingles que surgem nesse período.

A política me trás à memória o amigo mais mentiroso que já tive em toda a minha vida!
Era uma das minhas melhores companhias, me fazia rir com tantos absurdos!
Aproveitava a inocência do povo,
A ganância dos poderosos,
E espalhava boatos para todos os lados,
Tudo, é claro, com muito senso de humor e inteligência,
Afinal, ele vivia da política...
Era idealista: estava sempre do lado que estivesse mais forte.
O ideal dele?? Manter um padrão de vida razoável e merecer os favores dos poderosos!

Não demorou muitos passos até encontrar um conhecido me pedindo votos para o candidato dele,
Como sou educada, (não leia-se 'mentirosa', por favor!), aprovei o candidato. Nesse momento ocorreu o seguinte diálogo, que considerei parte super interessante do dia: /Interessante pelo espanto de ambas as partes a cada informação adquirida/

 - Lembra, o apelido do menino era Rambo? Lembra dele não? Namorava aquela morena que tinha o olho grandão, que parecia bola de gude, verdão?!!?
 - Ahh, aquela menina que trabalhou na loja de roupas? 
 - Isso! Isso mesmo! Lembra do Rambo, namorado dela? 
 - Lembro sim! Ele é corno! Ela corneou ele, corneia ele a beça..
 - Eu não sabia que ele era corno...
 - Que coisa, e eu não sabia que ele era Rambo!! 

Coitado!Pobre Rambo, pobre corno! 

Enfim, fechei a noite num casamento!
Vi pessoas alegres,
Dediquei parte do meu tempo a pessoas realmente importantes pra mim.
Cheguei em casa pesada de tanto comer,
Corri pra cama cheia de sono e crente que ia dormir...
Pra variar, os pensamentos não me deixam dormir!
As sensações alternam entre alegria e tristeza dependendo de qual episódio do dia me recordo.

Por exemplo, quando lembro dos jingles políticos, não consigo deixar de fora o Eymael
- acho que o jingle dele era perfeito -
Como moro em cidade pequena, tudo aqui, em termos de política, me faz ironizar um pouco qualquer situação.
Nesse ponto, meu senso de humor é aguçado (curiosamente é um paradoxo com a minha melancolia)...

Para terminar o dia, ou melhor, iniciar outro dia já na madrugada que me abraça, às 4:41h, 28/07/2012, fico por aqui para tentar, mais uma vez, dormir!

Obs.: Relatório inútil!!










Sobrevivo de pensar em você

Algumas coisas me fazem tremer mais do que o Japão em dia de terremoto!
Sentir o coração pulando dentro do corpo e ter que fingir naturalidade não é nada confortável!
Ter que expressar um sorriso menor do que a alegria que se sente
É racionalizar o que a razão desconhece.

Não sei como esconder dentro de mim tamanha felicidade,
Meu ego está, como se diz por aí, nas nuvens!
A sensação de frio nas mãos, suor gelado,
Coração acelerado, olhos brilhando...
Tudo me condena!
Não tem muito como esconder,
A paixão nunca passa despercebida,
Ela faz questão de se fazer notar.

Nesse caso, me entrego por completo,
Atiro-me no precipício que é o teu sorriso escancarado,
Desfaleço na ilusão,
Ressuscito no desejo
E sobrevivo de pensar em você.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Quando meu eu me chama...

Acordei cedo,
Mas prefiro quando não durmo!

Dormir cedo não é o que mais me faz feliz
Embora seja extremamente necessário para uma vida saudável.

Não sou fã de TV,
Apesar de ultimamente assistir novela com empolgação,
Não é o que me satisfaz!

Ainda gosto de ficar a madrugada inteira acordada,
Ouvir músicas depressivas,
Com letras melancólicas,
E ler romances desconexos,
E ler suspenses altamente fictícios...
E especializar-me durante algumas horas em algum idioma
Que nunca mais voltarei a ouvir ou me interessar novamente!!

Gosto dos pensamentos que me pertencem tão singularmente.
Gosto de saber que o dia está amanhecendo e saber que poderei dormir enquanto o sol brilha.
Gosto das explicações que nunca me convencem!
Gosto de estar presente quando meu eu me chama para...
Para qualquer coisa!!!

Quando meu eu me chama, eu corro pra ele!
Nada pessoal ou tristemente medonho.
Tenho até dito não ao meu eu,
Mas é dolorido ter que dormir, como um mero mortal, pouco após o sol se pôr!
E ter que acordar, como um mero mortal, logo após o sol nascer...

Gosto de dormir quando o sol nasce e acordar quando o sol se põe...
É nessa hora que o meu eu me chama
E com muito esforço, as vezes, consigo dizer não ao que os mortais chamam de insônia.

terça-feira, 24 de julho de 2012

O que me inspira

Algumas coisas escrevo com gosto.
Não importa que ninguém leia,
Não importa que depois eu me esqueça do que me inspirou...
Não importa!!
Nunca esqueço o que me inspira a escrever cada letra.

O que me inspira é sagrado,
Seja crítica social ou desabafo emocional,
Procuro identidade, afinidade entre o objeto de inspiração e o que escrevo

Tento a todo custo fazer conexão entre o que amo
E o que expresso.

O que expresso é uma parte do que quero que alguém saiba,
Ou do que quero que ninguém saiba...
O que sinto, é meu! Ainda que diga respeito a mais alguém,
O que sinto é apenas meu, e de mais ninguém!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Parâmetro de negação

Não dá pra escrever tudo o que penso,
Não tem como descrever com intensidade tudo o que sinto.
Não gosto da hipocrisia,
Mas também não aprovo o excesso de exposição.

Todo meu pensamento começa com alguma negação.
A negação é meu parâmetro de sobrevivência e de segurança.

Se quero saber se é bom, me nego.
Se me dou ao direito de me negar, é bom!
Se não, é escravidão!

Detenho-me de escrever um maior texto
Por enquanto, me contento com essas letras
Que a noite não dormida me permite escrever agora pela manhã...

Mas vou aproveitar minha manhã para cochilar, 
Porque dormir é para os fracos!! rs

(Porque amanhecer assistindo Patati Patatá: Não tem preço!!)

sábado, 14 de julho de 2012

Lamentação do dia

Tem dias que a gente acorda mais nostálgico.
Acordei pensando nos amigos que não vejo mais,
Nos amores que conquistei e deixei pra trás,
Na vida que desisti de buscar.

Foram sonhos jogados em algum abismo,
Estabilidade demais desestabiliza!

Hoje acordei assim...
Lembrando dos tempos de glória,
Duvidando se realmente existiram,
Chorando pelo agora que não é como deveria ser
E me lamentando...
Porque lamentar é tradição para qualquer judeu que se preze
(Ou vocês conhecem algum outro povo que tenha um muro exclusivo chamado de: Muro das Lamentações?!)

quinta-feira, 12 de julho de 2012

O tempo de Deus

Uma das coisas que considero mais complicadas é compreender o tempo de Deus na nossa vida.
Aliás, compreender as vontades e permissões de Deus me deixa com nós na cabeça - porque não compreendo.

Tento de todas as formas encontrar explicações plausíveis,
Mas nenhuma dessas explicações fazem sentido quando avaliadas segundo o caráter imutável de Deus.
Tento então fazer o caminho inverso, vir do caráter de Deus para o palpável,
Mas algo se perde e há uma falha na conexão que não me permite entender o que busco.

Nessas horas percebo o quanto ter fé em um ser superior invisível é um ato de insanidade.
No entanto, não volto atrás na minha fé,
O fato de não compreendê-la a torna ainda maior e mais preciosa.

Quanto ao tempo de Deus, jamais compreenderei.
Primeiramente sonharei, orarei, pedirei, sofrerei, chorarei
E ao determinado tempo, ou alcançarei a minha graça, ou serei consolada
De maneira que esse consolo me conforte e me dê paz.

Ainda que eu não compreenda como, terei paz.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Abutres sociais

Os abutres aterrizam fazendo festa,
Um baile de gala se inicia:
São os políticos curtindo a carnificina do povo.

A festa tem música  ambiente
De latas e sacolas plásticas
É o governo se divertindo no lixão.

É o povo, é o luxo, é o lixo, é a dita civilização.
São os mortos, os abutres, o fedor, a ausência de punição.
E numa visão de valores,
Melhor ser lixo, ser morto, do que ser abutre vestido de luxo.


segunda-feira, 9 de julho de 2012

O Nariz como limite do mundo

Se o nariz é o filtro do corpo, meu filtro está com defeito!
Respiro a poeira que resta da humanidade...
São as almas que vagam sem destino certo que nos corrompem.
Meu corpo não tem mais estrutura para filtrar tamanha maldade.

Não há destino para quem se condena.
O olfato começa a interferir na visão a partir do momento em que as lágrimas são pressionadas a sair do corpo... Tudo interligado!

As crianças de hoje em dia querem até que o patinete seja elétrico... Que graça tem isso?!!?
Mas voltando a realidade do meu nariz... Acho que o Córtazar tem razão quando diz que o nariz demarca nossos limites territoriais.

A visão busca o novo,
O olfato confirma a informação, o cheirinho de fábrica é sempre notável.
As mãos podem apalpar, mas não determinam a influência de algo na minha vida:
Que eu me lembre, nunca aconteceu assim!!

Quem decide o que fica ou o que vai é a razão,
Maldita moribunda que me persegue incessantemente!!
Maldita tirana que rouba as realizações do olfato, do tato e da visão!

Soberba razão que pune meus instintos primitivos em nome de uma ética invisível.
Entendo então que é o nariz que transmite algumas ordens à ditadora razão,
São cúmplices do sistema salafrário de manipulação do meu ser...

Maldita razão, maldito filtro com defeito, maldito nariz manipulador!!

domingo, 1 de julho de 2012

Somos todos iguais

A vida é igual para todos.

Pobres ou ricos,
Muçulmanos,  judeus ou cristãos,
Europeus ou africanos,
Jovens ou velhos,
A vida é igual...

Não poupa nem privilegia a ninguém
Não há para ela alguém que convém,
São todos iguais,
Vindos do pó da terra
Caminhando de volta para o pó da terra.

Nesse meio de caminho
Muitos tentam se perder, mas a linha de chegada não deixa que ninguém fuja ao destino final.
Nesse meio de caminho
Muitos se sentem senhores de si mesmos,
Muitos se julgam juízes detentores da verdade,
Muitos enfraquecem porque não se entendem como nada,
Nesse meio de caminho
Muitos não chegam a lugar nenhum antes de retornarem ao ponto final.

A vida é igual para todos,
Não poupa nem privilegia a ninguém,
Para ela não há quem convém.

A vida não faz barganha,
Não aceita dinheiro em troca de uns dias a mais de existência,
A vida não se vende por nenhum mísero metal,
Não tente comprá-la, será uma tentativa vã.

Se quer ser feliz,
Apenas respire,
Sinta a vida entrar pelos pulmões,
A vida não resiste a si mesma...
Tem um ego do tamanho do mundo,
Quanto mais ela se tem, mais ela se quer!!!

A vida é igual para todos,
Não poupa nem privilegia a ninguém,
Mas não resiste a poder se permitir existir... Seja lá você quem for!!

Quem realmente importa

Ser importante é uma questão de momento,
Uma questão de ponto de vista.
Ninguém consegue ser importante o tempo inteiro.

O médico é importante na hora da doença.
O artista é importante na hora da distração.
Já os pais são importantes para os filhos em qualquer hora!

Quando caímos no mundo somos apenas corpos em movimento,
Não sabe-se muito sobre as nossas almas.
Não sabe-se muito além do que mostramos in/visivelmente
Através de roupas, gestos e expressões.

Ainda não sei o que expresso no campo da in/visibilidade,
Ainda não sei em que hora e para quem sou importante,
São tantas coisas que eu não sei...

São alergias que brotam sem explicação deixando meu rosto deformado em vermelhidão sem minha alma dizer o que quer me dizer com isso!
Talvez seja reflexo da minha identidade em crise...

E nessas horas, quando a gente não encontra explicação,
Quando a gente quer o impossível,
Quem realmente nos importa é Deus.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

As vezes eu minto...

É raro, mas as vezes eu minto.
Como também é raro, as vezes falo a verdade.
Em geral mantenho meu silêncio,
Quase sempre valorizo a indiferença.

Ando pensando em algumas lembranças
Em alguns sentimentos recentes,
E percebo que quase nada mudou.

Ainda sou aquela criança insegura pelo excesso de mimos,
Ainda não aprendi a perder,
Ainda não aprendi a ser repreendida sem chorar,
Ainda não sei ser tudo o que eu quero ser.

Um dia talvez eu possa olhar pra trás e sorrir
Talvez um dia eu olhe pra trás e veja que não foi só ilusão,
Talvez um dia tudo isso se torne realidade,
E aí, com você ao meu lado,
Eu verei que valeu-me a pena de viver!

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Impenetrável

Desde criança me educo para sempre ter a expressão de paisagem.
Não importa o que esteja acontecendo,
Sei guardar minhas impressões só pra mim.

Por algumas vezes me deixo respirar,
Deixo-me ser simpática e expressiva.
Antes era excesso de timidez,
Hoje é uma escolha quando me calo e não me faço notar.

Guardo meus pensamentos,
Não sinto necessidade de demonstrar o que sinto, muito menos, o que apenas penso.

E não adianta buscar nos meus olhos qualquer sinalização para saber o que eu acho ou deixo de achar,
Minha mente é impenetrável,
Minha cara de paisagem sabe quando não quero me revelar.

O corpo inteiro corresponde ao que quero demonstrar ou ocultar: cinestesia perfeita!
Sou minha própria caixa de segredos,
Abro-me ou fecho-me quando bem quero.

Não tente invadir o meu espaço, sei manter-me impenetrável e isolar o que não me convém.
Quando é do meu interesse, sei abrir a guarda, publicar um sorriso e manipular a fala.

Seja bem vindo, e sinta-se feliz por não ter recebido minha fisionomia vazia de expressão
E sim, repleta de traços que expressaram o quanto eu fico feliz em te ver.

Lauraine Santos

domingo, 17 de junho de 2012

Carta sobre mim

Rio de  Janeiro, 04 de Junho de 2012


Sou feita de inquietudes e lembranças.
            Feita de abismos e pontes sobre as vidas que me cercam.
Ouço música alta para tentar abafar o que não quero ouvir gritando dentro de mim.
Idealizo o impossível e me perco nos meus pensamentos numa tentativa vã de fugir da realidade que me devora a vida.
            Dói o útero e o ovário – literalmente.
Escrevo com letras infantis, porque ainda sou criança.
Com a paciência no limite,
Com a fé na estaca zero,
Tem horas que me sinto num deserto, onde para o produto que vendo, não há consumidor.
                        Tento me desvencilhar da minha fé, mas alguma razão desconhecida me impede. Não consigo duvidar da existência de Deus por mais que eu tente: e tento muito! Ultimamente, questiono os fundamentos da minha fé. Acho que seria muito mais prático não crer em nada. Seria mais fácil não tentar compreender um ser infinitamente maior que eu.
            Não sei o motivo, não sei que raiz é essa plantada no meu existir que me impede totalmente de deixar essa crença em Deus pra lá! Relacionamentos são complicados. Os ateus pelo menos se abstêm do relacionamento com Deus. E se o relacionamento com outros humanos já é complicado, imagino a energia que os ateus poupam por não precisarem se relacionar com Deus...
            Se para tudo existe um motivo, começo a querer ser feliz sem compreender. Preciso começar a ser feliz, porque já percebi que nunca vou encontrar as respostas para as perguntas que me perturbam.

01 de Junho de 2012.

Já há alguns anos escrevo essa data no cabeçalho dos meus textos.
Já há alguns anos escrevo sobre o que pretendo para o futuro.
Hoje, sabendo que nos anos anteriores eu fazia o mesmo que faço agora, me pergunto
Que futuro é esse que se repete ano após ano sem cessar?!
Esse é, literalmente, o futuro que escrevo.
Que apenas escrevo.

                               Tento me comunicar com o mundo em vezes que a comunicação comigo mesma está interditada. São as vozes caladas da solidão que me sufoca, são essas vozes que me submergem e me afogam em si mesmas...

   Do fundo do poço a única luz que se vê é inalcançável.
Os percursos não estão de acordo com os calçados que tenho.
Percebo que não tenho como fugir deste trajeto.
Sendo assim, o jeito é mudar meus sapatos.

           É impossível ouvir música sacra sem imaginar as pinturas barrocas do século passado.
           A cadeira de escritório me serve de parque, dou giros e vou de um lado a outro sem precisar me levantar.

As pessoas se sacodem, se descabelam em busca da verdade: a troco de quê?
Sempre fui dessas, de cobrar verdades, até que percebi que se as verdades fazem sofrer, é melhor não sabê-las. Principalmente, se não pudermos mudá-las. Foi quando descobri que algumas mentiras merecem não só crédito, como também, respeito.

          A verdade que machuca e deprecia é um afronto à maior das verdades que o homem merece experimentar: a felicidade.

07 de março de 2012.


Não me importa que o abstrato não exista.
Não importa o que diga a vida, sempre seguimos nossos instintos primitivos, onde o que sabemos, não precisa de professor, é no automático da praticidade, na guerra pela sobrevivência...
Para isso não  é necessário o racional, ou melhor, não se precisa racionalizar,
Basta agir!
Nem tudo que se faz é certo ou errado. Nem tudo é real.
Muita coisa é imaginação.
Os olhos enxergam o que o cérebro quer ver.
A alma nem sabe muito bem o que quer, apenas quer querer.

Paz as vezes requer guerra.
Conflitos nos permitem um estágio bom de humor, porque humor independe dos meios, apenas depende de alguns princípios.
São cadeias interligadas que nunca se completam porque o que se completa é finito,
Enquanto eu, como ser, sou infinita. 

06 de março de 2012.




Pensamentos são aves sem destino certo.
Pensamentos são aves que voam rumo ao sol, mas se perdem no caminho, se cansam de bater asas sem ter onde descansar e despencam do alto céu na velocidade da luz.
Os pensamentos são livres até que os coloquemos em cativeiro, marcados como bois.
Tão egoísta é o pensamento, que a todo custo tenta também aprisionar o sentimento
Sem perceber que não se pode racionalizar o que é abstrato. 

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Ele

Há algo nele muito familiar que não consigo dizer o que é.
É tão familiar que parece partir de dentro de mim,
Talvez esteja tão próximo que me impede de enxergar.

Tenho tentado há dias, não consigo definir que sensação é essa.
Sinto-me apenas deslumbrada com o ser desconhecido.
(Aliás, o desconhecido me atrai! Curiosidade é meu bom veneno).

Fecho os olhos e algumas expressões retornam facilmente à minha memória visual,
Ouço aquela voz com tanta nitidez que até as pausas de pontuação e entonação posso facilmente reproduzir.

A não contestação ao elogio que fiz,
A risada de total aceitação e felicidade demonstrando aceitar sem duvidar do que eu dizia.
 - Talvez seja isso, uma pessoa que sabe se deixar ser elogiada sem falsa modéstia -
A voz firme. O senso de humor moderado.
A inteligência saltando no olhar.
As mãos não são brutas como as dos homens operários,
Nitidamente vê-se as mãos canhotas de um intelectual.

Estou simplesmente fora de órbita,
Usando todos os sentidos sem decifrar nenhum.
Desde que o vi
Uma luz estranha  acendeu na minha mente e não me deixa mais dormir em paz.

Desvairada desde a primeira expectativa em conhecê-lo,
Acordada com sono por não conseguir parar de pensar nele,
Voz, sorriso, mãos intelectuais, humor e inteligência...

Não posso ter dúvidas: estou realmente apaixonada por ele!!


domingo, 3 de junho de 2012

Sonhar enquanto se pode

Sonhar enquanto é tempo,
Enquanto a vida permite! 

O tempo passa e alguns sonhos viram pesadelos, 
Ideais perdidos na memória da existência. 
Como se o tempo fosse capaz de realmente apagar os sonhos que não conseguimos realizar... 

O tempo é passageiro,
É cruel,
É imbatível e irredutível quando contestado. 

Os sonhos não passam simplesmente sem deixar marcas. 
Ou se realizam ou machucam quando lembrados e avistados desfalecidos no abismo da vida. 

Enquanto tentamos realizar não temos tempo para perceber o inferno em que a vida pode se transformar 
O inferno? Sim, o inferno são esses sonhos que não realizamos, que deixamos pra trás como se pudéssmos esquecer simplesmente porque a razão quer assim... 

O inferno é dentro de mim!! 
São as dúvidas sem respostas,
O inferno é dentro de mim!!
São as frustrações pelo que não semeei!
O inferno é dentro de mim!!
Por tudo o que eu não sou, mas deveria ser. 
O inferno é dentro de mim, por tudo o que eu deveria ser, mas não sou!

O inferno, sou eu assim!!

terça-feira, 29 de maio de 2012

Nem todo dia é dia...

Nem todo dia dá pra ser feliz,

Nem toda hora dá pra ser positiva!

Começo a acreditar que o problema sou eu...

Confesso que não sou a melhor companhia do mundo,
Mas também não preciso ficar tão de lado, tenho muitas qualidades,
Que aliás, francamente falando, me custam enorme sacrifício,
Afinal, paciência e fidelidade não se encontra em qualquer esquina,
Muito menos, as duas juntas de mãos dadas!

O sacrifício torna-se ainda maior quando a tentação de ir em busca da utopia bate na porta e começa a perturbar o juízo me fazendo pensar em tudo que poderia ter sido, e o melhor, no que ainda poderá ser se eu jogar toda sobriedade pro alto...

Maldita sobriedade que me delega qualidades que eu não suporto mais carregar!
Eu não mereço ser assim.
Não mereço as qualidades que tenho,
Elas me machucam,
Não me permitem saltar de para-quedas nessa vida,
Não permitem que eu me jogue de cabeça,
Que eu tenha motivos para aprender a levantar e me curar sozinha...

Devido ao meu compromisso (como a responsabilidade me diz: 'inadiável'),
Termino esse desabafo por aqui, pois o relógio e a maldita responsabilidade me dizem que não devo me atrasar.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

O que eu sei

O que eu sei é que essa coisa que brotou dentro de mim repentinamente não vai dar em nada.
O que eu sinto é que esse nada vai me perturbar sempre que eu fechar os olhos e olhar pra dentro de mim procurando por você quando sei que não vou te encontrar.

O que eu sei é que eu não deveria estar tão fascinada com o impossível,
Pois, além de impossível, é contra a lei, é pecado, é anti-ético e imoral!

O que sei é que não posso matar essa coisa que sinto mesmo sabendo que não vai dar em nada,
Nem mesmo sabendo que se chegar em algum lugar, esse lugar será sombrio e cheio de acusações.

É uma pena que para fugir eu vá ter que me enganar tanto...

Pior, sei que tentar me enganar vai ser em vão, porque não se esquece um sentimento tão intenso assim, apenas por ser errado e fora da lei.

Sentimento sem nome

Alguns sentimentos não têm nome,
Apenas me pertencem.

Não sou de ferro,
Mas não preciso me expor num outdoor,
Não quero impressionar ninguém.

Claro que gostaria de falar à sua alma,
De materializar o desejo, de deslizar entre os...

É melhor calar antes que nenhuma vitrine suporte tanta exposição!

Porque o que sinto não tem nome.
Porque você é um segredo que eu morro sem revelar a ninguém,
Nem a você mesmo!!!

Segredos


Sabe aquele segredo que você tem vontade de contar pra todo mundo??

Pois é, nem precisa contar... Normalmente, só vivê-lo já nos denuncia!

***

domingo, 27 de maio de 2012

Nova paixão


Homem poderoso e bonito sempre atrai,
Se for culto o corpo até contrai!
Mas se for burro, nem mesmo distrai.
Hoje escrevo coisas que há alguns anos eu nem entendia,
Posso afirmar que o que sinto é muito mais que calafrios...
Nenhum vulcão é tão fervente quanto a atração entre dois corpos.
E talvez, pela primeira vez eu não esteja falando de sentir do modo abstrato,
O sentir que aqui deponho é bem palpável!

***

            É atual, muito recente. Ainda nem decorei teu olhar...
Mas sei a euforia que me dá ao fechar os olhos e lembrar a segurança transmitida,
A intelectualidade florida no teu semblante,
O bom humor latente...

Isso tudo atrai, contrai, me derrete e me entrega de bandeja pra você, que certamente nem imagina ser tão poderoso.
Só sei que  me fascina sem eu conseguir controlar esse vício de te querer. 

Sem conseguir dizer mais sobre o que você me desperta porque não posso, e também, porque nem sei dizer muito sobre você, melhor encerrar aqui, antes que eu exponha o que deve ficar guardado somente entre eu e eu mesma... Pois é, você também não deve saber - e nunca saberá... 

sábado, 26 de maio de 2012

Não sei...

Mal consigo dizer o que sinto, é o meu pior texto dos últimos tempos...

Estou me revirando, totalmente apaixonada e fascinada com uma estampa que jamais poderei vestir.
Estou te procurando sem cessar.

Aos poucos já conheço seus dilemas e dores.
Mas alguma coisa em você me tirou do plumo, me desalinhou...

Não queria usar essa palavra, mas não tenho como evitar, estou completamente apaixonada!
Não sei se impressionada apenas com minha própria idealização, ou sei lá!!

É muito mundo, é a sede que preciso saciar.
O que faço nesse momento é uma declaração silenciosa que você jamais saberá que existiu.
E eu não sei o que fazer com esse sentimento.
Não sei o que fazer com tanta emoção explodindo dentro do meu ser.

Não sei, não sei mesmo o que fazer...

A imagem já se perde um pouco na memória,
A voz permanece nítida aos meus ouvidos,
O modo de falar, o jeito despojado de sorrir,
A simplicidade no ser...

Por enquanto, tudo que posso fazer é deixar essa paixão me corroer e torcer,
Implorar aos céus, que seja algo passageiro,
Ou, que se concretize tão intensamente o quanto desejo.

Sentir é...

Pensar é bom, mas sentir... é sensacional!!!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Inquietude do dia


É uma inquietude de querer o que não posso!
Toco o céu em segundos.
Procuro esse sorriso, mas não sei onde encontrar.
E ainda que soubesse, é um gosto que eu não poderia provar.
É o mito! Apenas isso!!
Estou hipnotizada com seu mundo,
É tudo tão encantado...
Seu olhar me parece tão familiar, tão íntimo, que não consigo ignorar o que sinto.
Euforia. Fascinação. Deleito-me  ao pensar em você.
É uma ideia de perfeição que atrai.
Entro em delírio quando penso no que poderia ser...
Nada carnal, apenas uma admiração intelectual com forte tendência a permitir o avanço dessa materialização e interação física. Tá bom, admito, intensamente carnal!
Mas, tentando não alimentar fantasias eufóricas, vou tentar  me enganar, como se tentar dormir fosse mesmo matar essa minha sede!

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Eu escrevo...

Quando sinto algo, escrevo.
Quando não sinto nada, descrevo.

Quando estou ausente, penso.
Converso incessantemente comigo mesma.
Não, não se trata de um monólogo, não falo sozinha!!!
Falo, me escuto, me analiso e me respondo.
É apenas um diálogo de apenas uma voz.

Troco o dia pela noite mesmo sabendo que acabarei sem dormir ao nascer do sol.
Enfio-me nas letras como se elas pudessem me submergir,
Como se as ideias pudessem acalmar minha ansiedade e me ninar até o sono se apoderar profundamente de mim...

Engano-me constantemente com a mesma desculpa esfarrapada.
Os olhos lacrimejam,
O corpo pede descanso, mas a mente não pára.

Embaralho confusões em busca de soluções que não me comprometam,
Mas, não tem jeito, comprometo-me pelo simples fato de ser eu!
Nesse caso, não importa a realidade,
Importa-me somente existir.

Lauraine Santos

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Nem sempre é...


                São sempre os mesmos hábitos, as mesmas mentiras, o mesmo jogo de palavras. É sempre a mesma fala, os mesmos gestos, a mesma forma de olhar.
                As vezes digo coisas que não são nem metade do que intensamente sinto. Eu não entendo nada!
                Creio em um Deus que não explico porque não entendo. Coloco o juízo acima da razão. Abaixo da razão coloco a lógica quando o assunto é  fé.
                As paixões são impotentes diante de si mesmas. Quando vejo um homem fumando logo sei que ele é inseguro, buscando sentir o mundo através da boca, tal qual a criança que quer saciar-se através do seio materno, por onde se alimenta ao mesmo tempo em que se aquece no calor humano.
                É o infinito diante de mim e eu sem saber o que fazer com tanto caminho pela frente! São tantos valores incutidos ao meu estilo de vida que não sou capaz de dissociá-los ou descrevê-los distintamente. As causas não justificam todas as consequências. Contrária a lógica existe a fatalidade e a burrice. Nem toda medalha é por merecimento.
                Sentir a vida fervilhar nas veias não é privilégio de muitos, a maioria mal consegue sentir o sangue correr, quem dirá a vida... Nem todos os sentidos fazem sentido quando se comunicam entre si. Cor não traduz ritmo. O contrário talvez até seja possível, ainda assim, não troco uma coisa por outra. Nem vice-versa.
                Não traduzo o que as palavras não dizem. Não traduzo o que o sentimento experimenta exacerbadamente. Não me traduzo em palavras porque não consigo, mas confesso que enquanto puder... Continuarei tentando!!

terça-feira, 24 de abril de 2012

A maior humilhação que o homem pode viver é ter que implorar pra receber algum carinho...


Lauraine Santos

domingo, 15 de abril de 2012

Reflexões de um final de ano

O homem sobrevive e morre graças a sociabilização. É paradoxo demais: a morte e a vida estão sempre numa disputa sem vencedor.

Algumas coisas me fascinam mesmo quando estou distraída.

E depois, sinto algo que não sei explicar, é extase demais para uma pesssoa só que nem sabe ao certo o que sente. Eu só queria que a Internet funcionasse, porque um pc sem net é basicamente triste, como um corpo sem alma, sem vida, sem fôlego.

A paz é mais barata que a guerra, por isso o mercado mundial não investe nela. Porque somos todos capitalistas. Porque incitamos sem saber o mercado escravocrata. Porque somos ignorantes vitais.

E enquanto o mundo sofre vítima de seus próprios habitantes, nós permanecemos alheios e descrentes da desgraça que está porvir, permanecemos estáticos diante da miséria que já devora a milhares.

Não somos espelhos porque muitas vezes nem refletimos.

O homem é o mesmo há séculos: briga por comida, guerreia pelo sexo oposto(ou pelo mesmo), identifica-se com a música, é capaz de matar ou morrer por amor, sonha encontrar respostas para perguntas eternas, sonha com o inalcançável e não age no palpável.

Lutar pela felicidade, pelo conforto, bem estar... é um bem inestimável que o homem carrega dentro de si, que vale mais do que o próprio fato de estar vivo. Ter fôlego de vida significa bem mais do que apenas respirar.

Enfim, com sono demais para maiores discursos. Feliz Natal ao mundo.

Lauraine Santos.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Coração do homem é terra que ninguém pisa

O amadurecimento nem sempre vem da melhor maneira.

A gente não pode cair na paranoia de viver o tempo todo como se alguém estivesse nos perseguindo, mas é triste perceber que pessoas que estão ao seu lado frequentemente, na verdade, sentem mais inveja de você do que admiração pelas suas qualidades.

É estranho, vejo as pessoas falarem com orgulho quando sabem que alguém as inveja, no meu caso, me sinto realmente triste. Não me sinto superior por isso, mas lamento que essas pessoas não enxerguem o potencial que têm e se sintam tão inferiorizadas quando são apenas detentoras de qualidades diferentes das minhas.

Infelizmente, alguns laços precisam ser definitivamente cortados.
Não sinto a menor alegria nisso. Perceber a intenção do outro nos protege, mas faz sofrer mesmo assim, principalmente, quando o outro é alguém a quem se ama.

Sempre soube que na maioria das amizades eu me dou mais do que recebo, no entanto, me acostumei a isso, sei que nem todo mundo sabe se doar, aprendi a ser assim, só não sabia que isso, ao mesmo tempo que beneficiava os amigos, despertava-lhes também inveja por não terem essa mesma disposição para ouvir, entender, aceitar, amar independente de qualquer situação.

Na nossa amizade, pergunto;
Quantas vezes foi você que me procurou para desabafar?
Quantas vezes foi você quem perguntou sobre o meu Deus? Nunca me atrevi a invadir nenhuma a fé.
Quantas vezes eu procurei e você não pôde me atender, porque estava com sono, ou com preguiça de sair de casa para vir me ouvir?

Não me lamento pelas vezes que parei tudo o que estava fazendo pra te ouvir, te atender, secar suas lágrimas ou chorar com você, eu fiz a minha parte. Só é triste perceber que ao invés de aprender a me amar por isso, você tenha inveja por não ser quem eu sou.

Lauraine Santos