sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Até onde vai a maldade do homem?

Durante essa semana refleti muito sobre a maldade do homem. No entanto, não foi a maldade nua e crua que mais me intrigou. Claro que os bombardeios, a pedofilia, a tortura física, os assaltos, tiros e assassinatos me entristecem, mas o que realmente me aborreceu foi a maldade sorrateira que se alastra na sociedade.

A maldade é tão velada que se finge de brincadeira, se fantasia de amor, se diz amiga, mas mente o tempo inteiro, engana, faz fofoca, ilude, corrompe. Mata a sangue frio. É uma inimiga invisível, que se deixar, faz-nos parecer paranóicos, como se estivéssemos enxergando fantasmas que não existem.

Alguns cometem a maldade pelo hábito, outros pela burrice, pelo acaso, sem querer! O fato é que não temos como evitar determinados erros, e sou muito complacente com os erros dos outros, tento sempre acreditar que existe algum fundamento no comentário maldoso, nas atitudes duvidosas, no entanto, chega um momento na vida em que precisamos estar mais atentos às intenções do que aos gestos e ao que as palavras dizem.

Não sei o que é pior, se não perceber a maldade (e deixar que ela atinja seu objetivo de envenenar), se ter que viver atento para não ser contaminado, ou se é percebê-la às vezes vindo de onde menos se espera. Ou seja, de uma forma ou de outra, se permitirmos, ela consegue nos matar a alma.

Vejo que ainda preciso aperfeiçoar minha percepção e criar métodos mais eficazes em combater a maldade alheia, estar atenta aos significados contidos nas entrelinhas, não me deixar ludibriar por sorrisos falsos. Desmascarar a maldade como forma de proteção. Não temos como evitar que sejam maldosos, mas podemos encarar e ser fortes o suficiente para não deixar que a maldade nos derrote.

2 comentários:

  1. É minha amiga!
    Você tem toda razão. Como se não bastasse as atrocidades do século, ainda encaramos no convívio com esse tipo de maldade, Só não acho que seja "burrice", É semente do mal que está plantada em terreno fértil em certas pessoas e brota dando frutos para todos os lados!
    mas te digo uma : Não há semente do mal com fruto ou sem fruto que resista a joelho no chão! Ore por eles, peça a Deus para libertá-los pois quando eles descobrirem que ficar livres desse estigma maldito vai torná-los mais felizes, certamente farão uma escolha melhor.
    bjs
    Leia Tiago 3, que fala sobre a LÍNGUA
    Soraya Barros
    (amiga quando postar me avisa pelo e-mail! bjks)

    ResponderExcluir
  2. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Alma de poesia. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Marque presença