terça-feira, 18 de outubro de 2011

14 de novembro de 2008

Linha, passo, linha passo. Piso no preto, piso no branco.
Preto, branco, preto, branco, linha, passo...
Sincronia aritmética dispensável à cinestesia: expressão corporal psíquica.
Penso em tudo e nada me convém. Distingua-se de si para ser.
Componha-se, faça-se, apenas não iluda-se,
Mesmo que a realidade seja dura demais.
Estrague-se!
Ninguém é de ferro e nem deve tentar ser;
A graça as vezes está no que não somos;
Sabendo-se que, até para achar graça tem que ter hora.

Como desvairada que sou posso rir sozinha sem desconfiar do que pode dar errado.
O errado sempre acontece, queira você, ou não!

Um bem -te-vi me acordou essa manhã.
Dizem que é mal agouro. Se é verdade, só vou saber com o decorrer dos dias;
Posso dizer que só validarei a crença num prazo menor que 48 horas.
Caso contrário, atribuo ao acaso qualquer fato passado desse período...
Se não, podem todos os bem-te-vis da região cantar no meu ouvido - por pouco tempo, pois convenhamos que depois de alguns minutos perde a beleza encantadora da natureza.

Paixão: apaixonar-se é sentir medo incessantemente. Pergunto-me: o que tem a ver o bem te vi do parágrafo anterior com a paixão avassaladora que descrevo aqui?

►Creio que a paixão seja um mal agouro aos planos futuros dos apaixonados... E talvez essa seja a única conexão entre os parágrafos anteriores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marque presença