domingo, 7 de fevereiro de 2010




Lembro-me do meu chinelo cor de abóbora escrito "babaca"... Poderia resumir como: meu chinelo, meu mundo!
.
.
Mas... nem tenho um mundo só meu... E se tivesse, talvez não conseguisse dominá-lo por completo, nem saberia dizer se tudo estaria bem; não dominaria por completo...
.
.
Lá ia eu, descrita babaca , para o colégio.
.
Uniformizada ao avesso, camisa azul do colégio, bermudão vermelho a meu gosto, bolsa e touca rasta-fari, feliz com meu chinelinho de plástico, vulgarmente conhecido como "Havaianas".
.
Aquela era eu.
Curiosamente, Aquela ainda Sou eu.
.
Não mais tenho os mesmos acessórios, o bermudão não cabe mais, a camisa não é mais necessária, a bolsa rasgou e a touca sumiu! O chinelinho arrebentou, mas permanece em mim e em minha memória que revive irremediavelmente a cada segundo que existo.
.
Porque Aquela, ainda Sou eu.
.
Descrita Babaca em meu saudoso chinelinho cor de abóbora.


ps.: no lugar de Fanta, leia-se BABACA.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marque presença