quarta-feira, 20 de junho de 2018

Bobo na casca do ovo

Tal qual o sol
É a alegria quando raia dentro de alguém:
Ilumina,
Esquenta,
Produz vida!

Tal qual a alegria
É o amor:
Contagiante e bonito,
Leve e esvoaçante!

Tal qual é o bobo na casca do ovo
Sou eu me contentando com as suas mentiras
Que me permitem viver torridamente os meus devaneios
E sofrer, sem ilusões,
Todas as minhas desilusões desfeitas na verdade,
Todas as minhas dores de estimação.

Tal qual a vida real dói
O sol nasce e se põe sobre o nosso tempo
Para que tenhamos todo o tempo do mundo
De curar a dor, a desilusão
E os amores não correspondidos.

Feito bobo na casca do ovo:
Boa noite!

terça-feira, 19 de junho de 2018

Silêncios e mentiras

Eu não sei lidar com o silêncio dos outros.
Eu não sei.

É perturbador ouvir o silêncio dos outros.
Prefiro os gritos e até as mentiras.

As mentiras são silêncios declarados.
Prefiro os silêncios declarados
Que os silêncios que se ocultam nebulosa e completamente.

Quero a voz, a discussão de ideias,
A possibilidade de argumentação ainda que os argumentos sejam estúpidos.

Não parta sem dizer adeus.
Um argumento débil é mais sensato que a covarde fuga silenciosa.

Emudecer

Ando numa fase muda.
Não falo muito,
Não me expresso muito,
Não converso com os amigos
E me esquivo ao máximo de determinadas conversas:
Quanto mais íntimas, mais que esquivo.

Muda, calada.
Sem delongas.
Sem som de vozes.
Sem vontade de falar.

Quero me recolher num canto
Me encolher,
Apagar a luz,
Me cobrir
E fechar os olhos.

E dormir!
Emudecer a alma aos conflitos da realidade.

O bom de ficar muda,
É que um dia,
Quem sabe,
A gente floresce!

domingo, 17 de junho de 2018

A esperança dos apaixonados

Eu estou feito uma criança abandonada
Feito um cão que cai da mudança
Perdida e triste
Esperando você voltar.

Com o olhar no horizonte
Te procuro.
Com a alma vagando
Te espero.
Com a esperança imortal dos apaixonados
Acredito que você é meu
E ao meu ninho voltará.

O precipício evidencia o eco

De repente, eu, tão racional
Fui acometida por uma loucura aguda.

De repente, eu, tão metódica
Estava me lançando no precipício
Sem fazer ideia de onde poderia cair!

De repente, eu, tão certinha e comedida
Fui surpreendida por emoções eufóricas e incontroláveis.

Sem conseguir guardar segredo,
Sem conseguir esconder o turbilhão de desejos pulsantes dentro de mim,
Busco abrigo no silêncio,
E é justamente quando mais me ouço gritar!

O precipício evidencia o eco
A alma agita, titubeia, se contorce, retorce
E só quer você.

sábado, 16 de junho de 2018

A saudade é uma ilusão em construção

Você foi um sonho bom que eu queria que não acabasse nunca.
Você foi a realização das minhas quebras de valores e crenças,
A superação dos meus preconceitos,
A prova de que vale a pena rever conceitos mesmo quando eles estão fundamentados em morais e bons costumes.

Você está sendo a saudade presente
A despedida não acontecida
A ilusão que eu espero de volta.

Estou sentada no porto
Admirando sim, o mar
Mas ansiosa pela sua volta
Porque tão profundo quanto o mar
São os seus olhos
Nos quais eu me afogo com prazer.

Tão gostoso quanto o vento,
É tua pele branca
Que me afaga com calor.

A saudade é uma ilusão em construção:
Idealizo cada momento que se poderia viver.

A saudade da ilusão é uma ilusão em execução.
Temos o mar,
O porto,
O sol...

Só espero você voltar...