sexta-feira, 21 de julho de 2017

Por que sumir?



Alguém (vestindo a falsa capa da santidade) me diz:

- Fulano reclama que vocês não se vêem...






O que eu penso:

“Gente, Fulano deve ter algum problema mental!! Reclama de quê? Que a gente não se vê? Cansa de passar na minha porta, na minha cidade e nunca fez questão de passar nem pra dizer apenas OI! Por várias vezes passei por inúmeras situações difíceis e o Fulano, mesmo ciente, NUNCA mandou nem mensagem perguntando se havia chances de eu sobreviver! Incontáveis vezes... Fulano sempre me procura quando precisa, e me esquece quando não precisa mais! Está reclamando de quê? Que não nos vemos? Oi? Que quer me ver? Não mesmo... Com certeza, reclamando da falta de audiência. E apenas disso.”







Eu não sou de muitas visitas. Confesso até que sou mesmo falha nessas questões, mas também não reclamo de ninguém não me visitar. Não reclamo de ninguém não me mandar mensagem (nem mesmo o Fulano)! Eu entendo que é natural que alguns afastamentos ocorram, e que às vezes, quem se distancia, é porque está num momento difícil e precisa que eu me aproxime; e que mesmo a distância física não permite determinados tipos de cobranças quando há amizade, proximidade de almas.







Neste caso, não há proximidade de almas, e muito menos amizade recíproca. Sou eu pro meu canto e o Fulano pro canto dele. Podemos simplesmente levar um relacionamento social, mas não há motivos para cobranças do tipo “por que você não vem na minha casa?”. A resposta é simples: “porque não temos afinidade, não temos interesse nem vontade de estarmos juntos!” E da minha parte, sendo bem sincera, não tenho confiança o suficiente para frequentar a sua casa, não tenho gosto, apreço na sua conversa. Da sua língua vejo (e ouço) tanto veneno escorrendo, que tenho medo!







Para o Alguém não bem intencionado que me trouxe a queixa inicial, respondo apenas:

- Essa semana eu tento resolver isso... Finalmente estarei de férias!







Assim, não levo a questão adiante e encerro o papo.

Sem cobranças.

Sem leva e traz.







Inteligência para cortar gente futriqueira (e hipócrita) é essencial!!



E ponto.

domingo, 9 de julho de 2017

Nascer...



Nascer dói.
Ao humano, que deixa o ventre o materno.
Ao pássaro, que se esforça quando quebra a casca do ovo.
À semente, que para brotar, tem que germinar.


Tal dor, porém, é para o bem:
Que se faça o milagre da vida!

E, então, quando nasce o bebê, pequeno indefeso,
Quando brota a flor, leve e delicada,
Tendemos a esquecer a força do pequeno ser...
Forte o suficiente para nascer!

Belo, delicado, de aparência frágil. Ainda assim, definindo bem o conceito prático do que é força.

É isso.
Seja forte.
Permita-se nascer TODOS os dias.

Lauraine Santos.

Junho/2016
O vazio dói.
E o que é a solidão
Se não um vazio existencial profundo e escuro?

Sobre a Lealdade



Lealdade não é algo que se pode ensinar,
Nem pedra bruta que se precise lapidar.
Lealdade é um valor nato no coração de quem sabe amar.

A lealdade é senhora de seus atos
Responsável por seus gestos
Firme em seus argumentos
Irrepreensível em seus caminhos e Indubitável em sua palavra!


Firme, certeira e confiável.
Porto seguro.
Feliz é quem a tem!!!

{[(Tanto sendo doador quanto sendo o receptor)]}.

Lauraine Santos.

sábado, 17 de junho de 2017

UM DESABAFO SOBRE O AMOR



UM DESABAFO SOBRE O AMOR

Durante muito tempo eu acreditei que o amor era semente que bastava semear para nascer, brotar, florescer...

Até que descobri que não é assim que funciona!

Hoje, penso que o amor é solo,

Que não importa a semente, pois ele, solo, por sua qualidade, decide se permite brotar ou não o que lhe jogam.

Debati-me por muito tempo para conseguir aceitar e entender isto.



Penso em alguns lugares que frequentei,

Pessoas as quais me dediquei: com meu tempo, minhas preces, meu afeto, meu zelo, preocupação, pensamentos, broncas, amor... Onde ofereci o melhor de mim, e, ao fim, quando foi minha vez de chorar, de ser abraçada, olhei em volta e me vi só, desamparada. Ao meu redor, tudo que havia era o vazio das vozes, dos sorrisos, dos ditos amigos e até intitulados irmãos...

Foi quando percebi que o amor tem um pouco de semente, porque é algo que a gente planta, mas que para germinar, a terra tem que ser compatível.

Descobri que embora possamos lançar as sementes, não podemos fazê-las germinar.
Ninguém consegue fazer o outro sentir amor: Amor é espelho de Deus, refleti-lo não é honra dada a qualquer mortal que o queira por vaidade, é DOM: ofertado por misericórdia.

Descobri-me só e percebi o quanto estava, antes, cercada por pessoas apáticas e egoístas. Não as condeno, são miseráveis.

Pessoas que antes, por interesses (mesquinhos e insignificantes) pessoais, postavam fotos com legendas de “TMJ”, “Amizade verdadeira” e “#OsMelhores”, no meu pior momento, me jogaram pedras e correram, me empurraram na lama e riram. Ignoraram a existência de um ser humano e me descartaram como se fosse lixo. O problema é que não era lixo. Não é lixo e nunca será.

É um ser pensante, que sobreviveu a apatia dos pseudo-cristãos contemporâneos e que se fortaleceu, inclusive na fé, experimentando, de modo amargo, a frieza muitos. Vivenciando na pele a possibilidade de ter o próprio amor resfriado pela iniquidade alheia - porque não saber amar é algo bem grave!

Hoje, conto nos dedos quantos dos “#Melhores” restaram. E não penso na quantidade com pesar, porque vejo que a qualidade compensa.

Descobri que o amor é solo, pois, por bem menos de dedicação minha, tenho encontrado quem me demonstre mais do que reciprocidade.

As vezes, ainda me sinto sozinha, mas sei que não estou, pois tenho visto Espelhos verdadeiros do Deus que professo.



Quanto aos que me deixaram pra trás, rogo a Deus misericórdia,
Para que enxerguem e se arrependam de terem, por suas próprias escolhas, ficado para trás;

Que, crentes que avançavam para o alvo, cegos pelo próprio umbigo e vaidade, retrocederam e ainda hoje, capengam rastejantes, idiotas e distantes da essência do evangelho: O AMOR.



Não tente ensinar o amor.

Nunca pense que semear o amor é suficiente.

Antes, lembre-se: o amor é DOM de Deus.



Presente caro! Que nem todo mundo pede, nem todo mundo ganha!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Comemorando 30 anos


As vezes
A gente passa tanto tempo sendo sombra de si mesmo
Que nem se reconhece quando se vê no sol, na luz!!

Conhecer-se um pouquinho mais a cada dia. Sem pressa.
Pois,
Embora a morte seja um destino certo,
A vida é um percurso bastante interessante,
Que merece ser apreciado,
Vivido,
Reclamado,
Experimentado,
Amado,
Para só então,
Ser findado.